segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Vamos Lá Para Fora









Vamos lá para fora, onde um vento forte sopra
Fazendo redemoinhos nas nuvens cinzas de glacê.
As folhas caem secas, caem tontas, silenciosas,
E rolam sobre a grama, abrindo mão do viver...

Sentemo-nos no chão, e observemos o que passa
Diante do olhar, sem julgamentos, sem trapaças,
Deixemos que o vento nos desvende seus segredos,
Fechemos bem os olhos, para que possamos ver...

Vamos lá para fora, onde um fraco sol perpassa
Com languidez, as nuvens, dando o ar de sua graça
E então, recolhe os raios, respeitando o tom de cinza
Ensinando que há tempo para tudo nessa vida!

Deixemos que o tempo e o destino se encontrem,
Sem nossa interferência, num momento só de paz...
Sintamos que nós vamos na balada desse vento,
Que somos como as folhas: breve pó do Nunca Mais!





4 comentários:

  1. Lindo, lindo e lindo!
    Amei ler emociante que é poder reconhecer que somos como as folhas, "breve pó de nunca mais!"
    Abraços apertados com votos de uma linda semana para você linda amiga Ana!

    ResponderExcluir
  2. Então, vamos! Aceito o convite porque me sinto convidada! Vamos enfrentar a nossa mortalidade sem dramas! E assim mesmo, transitórios, mas felizes!
    Beijo, linda Ana!

    ResponderExcluir
  3. É lindo estar a ver estas folhas que caem lentamente.
    Voltar os olhos para o alto e ver que somos um tanto
    destas folhas.
    Belo trabalho da poesia e reflexão Ana.
    Meu carinhoso abraço.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...