segunda-feira, 24 de novembro de 2014

SUBSTÂNCIAS




Quem morre, fica à distância
De um pensamento.
Quem vive, fica à distância.

O pensamento separa
O que é mais denso.
É densa, a dor de quem vive.

A quem morre,
Tudo se perdoa,
Tudo é esquecido...

Reconstroem-se 
Silêncios e sorrisos,
E até mesmo, as ausências.


10 comentários:

  1. Bom dia linda amiga Ana!
    Quem morre continua a viver em nossas lembranças, tenham sido boas ou não, a mente eterniza os ausentes!
    Ainda bem que o tempo sempre dá um jeito de deixar-nos seguir em frente, continuando as nossas jornadas!
    Lindo e poético!
    Amei ler!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Já dizia o ditado que viúvo é quem morre, quem fica quase sempre reconstrói sua vida.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana,

    Tudo novo por aqui e até papai-noel já está preparando a festa de Natal. Gostei!

    Poema bem original e até filosófico.
    A conclusão é perfeita. Afinal, morre quem parte, como diz o dito popular. Quem fica tem o dever de viver, pois tem seus compromissos com a vida. A reconstrução é imperativa.

    Gostei da elegância da borboleta.

    Feliz semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá,Boa tarde,Ana
    ... o fato é que a morte interrompe um processo, modificando os rumos dos envolvidos, para uma realidade completamente desconhecida... e para quem fica, há de se acostumar com a dor por um tempo indeterminado...mas passa, ou no mínimo, atenua -se para se reconstruir...
    Obrigado pelo carinho,belos dias,beijos!

    ResponderExcluir
  5. Casa com decoração Natalina! Muito bela, Ana!
    É complicada a relação com a ausência, pelas inapagáveis lembranças, embaladas pela saudade. Mas os caminhos permanecem à espera de continuidade. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana
    O problema maior da morte, é acostumar com a distância
    Ficou lindo o novo blog

    ResponderExcluir
  7. Gostei imenso deste seu poema.Gostei muito da
    nova imagem deste seu blogue.
    Desejo que se encontre bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  8. Oi Ana, quanta beleza nos recepciona adornando seu poema que exalta a vida ... Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  9. A morte é este abismo que se abre à nossa frente e vendam nos os olhos e dizem: atravesse.
    Duro de prosseguir, mas há que recomeçar.
    Um abração Ana, adoro suas inspirações.
    Beijo

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...