segunda-feira, 17 de novembro de 2014

PASSAGEM SECRETA




Minhas passagens são secretas,
 - Ou seja, quase secretas...

Às vezes, passa algum anjo
(Ou um demônio perdido)
Mas não ficam muito tempo.

Os anjos me deixam flores
Suavemente perfumadas,
E os demônios, nada deixam...
-Quem sabe, deixem lições
Que não ficam nos perfumes?

O meu caminho é secreto,
Feito de folhas caídas,
Musgo já ressecado,
Sobras de águas da chuvas,
Parreiras quase sem uvas...

Alguns passam e se debruçam
Sobre o meu muro arruinado,
Deixam os seus pensamentos
Em forma de comentários...

Outros passam e nem olham,
(Ou fingem que não me veem,
Acho que estes são vários...)
Enquanto tecem suas redes
Na intenção de me prenderem.

Eu fico silenciosa;
O tempo, meu professor,
Já me ensinou quase tudo:
A desviar dos abismos,
E a calar, se preciso,
Armazenar para estudo.

O meu caminho é secreto,
Apenas uma passagem
Que marca, sem pretensões,
Uma linha sobre o mundo.



6 comentários:

  1. Hummm, gostei dessa forma de desenhar a "passagem secreta", Ana! Acho que me inspirou a criar a minha rsrs. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana, não acredito em muro arruinado em meio a tantas edificações estruturadas, que permanecem intocadas, mesmo com tantos acessos. Tal qual a Vitória Régia que se apropria do lago, com tamanha formosura, você já não passa secreta, és mestra da poesia. Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Ana, creio que as passagens só são secretas no entendimento individual. Há sempre muitos a percebê-las e admirá-las. Seus versos são muito belos, sempre. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana
    Nossa vida é povoada de anjos e demônios, com os quais precisamos aprendermos a lidar.
    Bjux

    ResponderExcluir
  5. Olá Ana,
    Intenso e maravilhoso como todos os seus escritos.
    Um lindo dia.
    Ana

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...