quarta-feira, 26 de novembro de 2014

FICOU





Ficou tudo pelo chão,
 E é bom que tenha ficado.
Um vento lento a soprar
Desfez as tramas do passado
E levou, consigo, o legado
Para bem longe do mundo.

-Toda a inútil ilusão,
Arrogância, presunção,
Palavras de amor ou de ódio,
Escárnio, riso, e o punho
Que arremeteu os punhais
Cravados no coração.

Ficou sim, tudo no chão,
E a chuva que chegou
Lavou, levou e depois
Veio o sol, e desbotou
Os restos do que ficou.

Descoloriu sentimentos,
Apagou os pensamentos,
Preencheu de vazio os momentos
E nada, nada mais ficou

Além do que ficou no chão,
A fim de ser esquecido,
Daqui levado, varrido,
Como será carregado
Tudo aquilo que ainda está.

E agora, eu me pergunto:
Do que será que valeu
Tanto ódio, tanto pus,
Tanta mentira inventada,
Tantas lâminas cravadas
No caule frágil da flor?...

No fim, só fica o amor,
E mesmo este, algum dia
Segue a mesma estrada fria,
 Vai no rastro indefinível
De quem nunca mais voltou.

Ficou no chão o sentido,
Derramado feito água
No meio daquela estrada
Que ninguém mais percorreu...

Ficou toda a injúria vil,
De um coração desabrido
E desta, nem mesmo um til
Poderá ser removido.

Valeu?...




9 comentários:

  1. Que linda poesia Aninha!
    Tocou na minha saudade...
    Beijo em seu coração
    Nicinha

    ResponderExcluir
  2. Que tudo que seja pesado e triste o vento leve para bem longe.
    Só permaneça o que é verdadeiro.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune
    Gosto muito de poemas assim que, além de bonitos, têm um ritmo, de certo modo, alucinante. O teu poema, é dos que sempre releio, tentando entrar na sua cadência.
    Resultou bem.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Até o tapete da sala alçou voo e partiu
    E nada ficou, apenas este cheiro a embriagar.
    Então me diga se valeu, todas as noites perdidas?
    Uma maravilha Ana como toda sua arte.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderExcluir
  5. Sempre vale! Aprendemos uma nova lição com cada um desses acontecimentos e a Vida se encarrega de levar embora, aquilo que já não necessitamos com tanta urgência. Minha querida Ana, sempre belos versos, boas reflexões aqui em tua páginna. Meu carinho,_______________LL

    ResponderExcluir
  6. Se ficar o amor, diria que valeu; se nada ficar, nada valerá.
    Apenas passamos. E desapercebidos.
    Também gostei da cadência, da construção. É como beber quando se está com sede... Vamos indo, num sôfrego, se pararmos perdemos aquele embalo gostoso. O Daniel Costa falou bem.
    Beijo, Ana.

    ResponderExcluir
  7. Ana, creio que tudo valeu, independente do desgosto, que também se vai em um momento. Só o amor não pode deixar de existir. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. Prezada Ana Bailune
    Nas vezes que visito seu blog sou agraciado com pétalas de luz, gratidão, compaixão, faces do amor e tantos outros sentimentos nobres e valiosos que desejamos e, nós de bom coração, compartilhamos com aqueles seres humanos que deles carecem. Seu poema expressa profundamente sua sensibilidade e consciência não tão somente com a natureza ambiental, mas particularmente com a essência humana, esse lado tão obscuro de todos nós que desejamos conhecer, para minimizar nossa ansiedade, temores, rancores e inseguranças. É difícil expressar e mensurar a amplitude de tudo o que o poema expressa. Ele é maravilhoso, doce e adorável. Parabéns, com o soar de tambores celestiais e o som visceral da trombeta de um anjo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mensagem - Desativação de Blogs e Incorporação dos Conteúdos

Olá, pessoal! Estou desativando a maioria de meus blogs, pois acho que me entusiasmei e acabando abrindo espaços demais. Ho...