sábado, 4 de outubro de 2014

Intensa





Ah, tarde vermelha que entra pela janela,
Salpicada pelos cantos molhados dos sabiás
E pelos cheiros doces das flores e do mel dos colibris!
Ah, tarde, tuas vozes de velhos amores,
Rostos derretidos de gris, na sépia do tempo,
Que já nem aparecem mais nas fotografias!...

Ah, tarde, que me trouxe uma canção distante,
Cheia de lembranças de almas errantes
Que passaram, que se foram para sempre, e antes,
E que nunca, nunca mais aqui voltaram!

Ah, tarde se eu pudesse!... - te prometo, e te juro,
Mergulhava de vez nesse anoitecer escuro
Cujas pontas seguras entre os dedos duros!



4 comentários:

  1. O crepúsculo vespertino ganha ainda mais fascínio após a leitura desta maravilha poética que traz refrigério ao coração. Meus aplausos, Ana!

    ResponderExcluir
  2. A exuberância do crepúsculo ganhando vida e magia nas tuas hábeis mãos de escultora da poesia ao entrelaçar beleza e sentimentos ímpares e belos.
    Um lindo domingo pra ti
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ana, essa tarde que lindamente descreveu, mereceu interpretação melancólica de minha parte. Talvez não tenha sido esse o seu caminho, mas assim o vi. Há tardes escuras que nos escurecem também o coração, reavivando um saudoso sentir. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Oi Ana, sua poesia me encanta, traz um sentimento puro que não vivenciei, talvez por isso não tenha melancolia, mas admiro a sua facilidade em expressar as dores de amar. Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...