segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Linhas




Há ainda tantas coisas
Que eu quero escrever
Nas linhas da minha vida,
E no entanto, é tão pouco
O que eu desejo, o que eu preciso!...

Às vezes, eu sinto que logo
Alguma coisa vai rasgar
Meu peito sempre fechado,
E ao transbordar de repente,
Vai me matar!

E eu morrerei tão feliz,
Tão tranquila,
Tão sem medos!...
Nem sequer me lembrarei
O que significam palavras
Como dor ou arrependimento!




9 comentários:

  1. Aninha, feliz segunda-feira!

    Que lindo o que escreveu, é uma verdadeira declaração de amor...
    Beijinho
    Nicinha

    ResponderExcluir
  2. Ana, lindos sentimentos em palavras poéticas, tem vez que nem sequer sabemos o que realmente temos de escrever ou dizer, tão pouco precisamos, mas muito sentimos!
    Ah, sensibilidade, sei bem o que é isso!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  3. Quando o peito explode temos uma nítida sensação de liberdade.
    Bjux

    ResponderExcluir
  4. Então escreva, Ana, ainda que pouco lhe seja necessário. As linhas da vida podem ser curtas ou longas e vale escrevê-las até que tudo transborde ou que elas cheguem ao seu término. Palavras, enquanto isso, ainda são os melhores instrumentos para aliviar a alma e as emoções.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Ana!
    Que coisa linda sua poesia, linhas tão delicadas, adorei!
    um beijo carioca

    ResponderExcluir
  6. Creio que precisamos esta sempre escrevendo nas linhas da vida, pois assim, estaremos dando vazão ao que vai em nosso coração.
    Beijos, Élys.

    ResponderExcluir
  7. Ana quanta sutileza em tuas linhas, nada de arrependimento, pois nada guardaste, senão
    os momentos felizes que provastes. Bem sei, que o poeta ao escrever seus versos, extravasa sua dor e seus sentimentos, nas linhas de seus poemas. Não guarde nada, se desmanche em prosa e verso, que é muito cedo para transbordar. Obrigada por nos presentear com seus lindos poemas, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  8. Um peito onde pulsa o amor pelas palavras e se traduz neste belíssimo poema!
    Beijo.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...