quinta-feira, 26 de junho de 2014

Poesia








Pela greta da janela,
Amanhece o dia.

Uma estrela ainda brilha
No céu que já clareia,
Uma haste de folha balança
Ao vento que passeia.

E eu, olho,
Me desfolho...
Num esforço de recomeçar
Arranco, da pele, as traças.




11 comentários:

  1. Olho as fendas enquanto passeia por elas o brilho
    ainda olho o brilho porque o caule são as hastes das folhas
    estrela desfolhada do céu,estrelas sobre as copas das árvores
    dia de se esforçar para deixar a claridade entrar
    ainda brilha a estrela do dia
    olha o passeio,o esforço da folha em se desfolhar
    enquanto brilha uma claridade solar no céu
    pelas fendas dos portais hastes de estrelas penduradas
    olha os duendes entre as folhas das árvores.

    O recomeço é irmão do esforço e o amanhecer bate na janela
    o vento arranca folhas e o passeio desfolhado acaba belo
    “balangodango” na árvore antiga,estrela clareia a fenda
    o vento arranca o amanhecer das montanhas e traço novo destino
    pela fenda da janela o amanhecer adentra em pequenos fachos de luz
    o vento começa a arrancar a pele-folha do corpo-casca das árvores
    o amanhecer claro e a haste iluminada no corredor do passeios
    esforça-se para desfolhar e arrancar estrelas-cadentes
    da janela vejo o vento brincando com o “balangodango”
    e um menino travesso imitando um orangotango.

    Olha o balanço e as folhas esparramadas pelo quintal
    desfolhando estrelas das hastes cósmicas,desprendidas,caem soltas
    o dia do esforço,do passeio,do vento,do brinquedo
    a traça sem graça fica mais sabida quando devora revistas e jornais
    o tempo começou a arrancar a pele da traça mal traçada
    pela fenda da janela a graça do vento que entra
    na ponta da haste da folha um céu que desponta e clareia
    olha a estrela como brilha e o duende como a contempla.

    ResponderExcluir
  2. Amiga após 5 semanas fora do m/país, regresso aos meus blogues e tento
    visitar os meus seguidores que fizeram o favor de me deixar comentário.
    O meu tempo para estar no computador é pouco, porque trouxe duas crianças da
    Irlanda, que me requerem o tempo todo e a atenção. Só regressarão ao seu país
    no final de Agosto.
    Desejo que a amiga esteja bem.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  3. Muitas passagens bonitas em poucos versos marcam a propriedade literária de Ana Bailune. Parabéns, Ana!

    ResponderExcluir
  4. Adoro borboletas, temos tanto a aprender com elas.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Que linda e singela poesia flor!
    E essa foto então, tão delicada quanto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Olá, Boa noite, Ana,
    ...borboletas também sofrem...e desaparecem, em lembranças, ao canto escuro do quarto,puída por vorazes traças...mas nunca desistem de voar e recomeçar...
    Obrigado pelo carinho, belo final de semana,beijos!

    ResponderExcluir
  7. Ana, belíssima poesia!
    Um feliz final de semana!
    Beijos Amara

    ResponderExcluir
  8. Bom dia querida, que linda poesia!
    Que Deus derrame muitas bençãos na sua vida sempre!
    beijinhos

    ResponderExcluir
  9. Ana

    Como todos os que postas, o poema é bem bonito.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...