segunda-feira, 2 de junho de 2014

MEDO



Já não tenho medo;
E nem sei se é tarde
Ou cedo
Pra confessar.

Mas já não há
Segredos
Sob a espuma branca
E o sal do mar.

Na escuridão
Abissal
Agonizam os monstros
Que eu temia...

E nem mesmo o oposto
Da vida
(Que é a alforria)
Já me causa medo...

Não existem monstros,
Nada é tão fatal...
Real,
Só mesmo o desgosto
De saber mentiras
A assombrear
O teu velho rosto...



11 comentários:

  1. Lindíssima poesia, Ana! Não ter medo nem da liberdade...adorei! bjs,

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana,

    Creio que a vida nos ensina a lidar com o medo e a dominá-lo. As experiências vão criando em nós armaduras contra o medo.
    Mentiras, de fato, trazem desgosto e desolação, pois abalam nossa confiança.

    Lindo o poema. Aliás, você é sempre magnífica em seu versar.

    Ótima semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Perdemos os medos pela vida.Linda poesia!! Adorei e acertei dois nomes da tua família por lá então?rs bjs,chica

    ResponderExcluir
  4. Eu acredito que hj os nossos maiores medos, não são com defuntos ou monstros rs...
    São reais,medo de decepções, mentiras, traições.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Ana, essa é, para mim, a forma suprema de liberdade e de libertação - nada temer.
    Muito profundo, muito bem escrito, plenamente conseguido o seu poema ( que, na essência, poderia ser meu!)
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Bom dia Ana!
    É mesmo estranho como os medos se perdem quando somos obrigados a enfrentá-los.
    Ao encará-los de perto, se tornam insignificantes e outros questionamentos surgem.
    Belíssimo poema.

    Abração e lindo dia.

    ResponderExcluir
  7. Ana Bailune

    É sempre um prazer ler um destes poemas. Prova que a tua sensibilidade poética está sempre por cima.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Viver sem medo é muito bom! Gostei muitíssimo do poema, Ana!!
    Ser livre é um gostoso aprendizado que a vida nos oferece...
    Abraços

    ResponderExcluir
  9. Alimentamos, por muito tempo, medo do irracional, do desconhecido, dos monstros que nós mesmos criamos. E um dia despertamos, afastando-os. Mas continuamos a temer os resultados maléficos das inverdades. Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Olá! Divina poesia! A mentira assusta às vezes, mas a verdade a supera, sempre! abração

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Metáfora

Às vezes, há ainda uma  corrente Muito fina e cristalina Que quer correr para o mar, Ainda há um par de pernas Que...