domingo, 8 de junho de 2014

Nada é Para Sempre




Às vezes,
As coisas permanecem,
Mas os olhares mudam.

Tu passas 
(E nem percebes)
Pelas mesmas praças,
Ruas e calçadas...

A mesma cor desbotada
Nas paredes da tua casa
Que tornou-se tão pequena
Para tuas cenas.

E nada mudou,
Nada!
Apenas o teu olhar
Que se demora e se perde
Para além dessas vidraças...

No quintal, a mesma árvore
Faz sombra sobre o telhado,
O tempo traça caminhos
Sob a pele que já pende
Sob o olhar amargurado,
Mas é dentro que se encontra
Aquilo que está passando,
Aquele que foi mudado...

É que às vezes, 
As coisas permanecem,
Mas os olhares mudam,
E se perdem
Nas ilusões do mundo.




7 comentários:

  1. o para sempre não existe ... ainda bem ... seria um tédio se assim fosse ...

    ResponderExcluir
  2. E só cresce em todos os sentidos da VIDA quem tem a plena consciência das mudanças...
    Nem os contos de fada possuem E FORAM FELIZES PARA SEMPRE...

    Um abraço, querida e linda semana.

    ResponderExcluir
  3. Os olhares mudam com o tempo...que bonito e verdadeiro! Adorei a leitura! bjs,

    ResponderExcluir
  4. Ana minha linda, é assim tudo está igual mas o olhar mudou, teu poema é belo e traz uma certa nostalgia, beijos Luconi

    ResponderExcluir
  5. Lá fora, tudo igual. Aqui dentro, a transformação. Uma nova forma e olhar, carregada de lembranças, nem todas coloridas. Bjs.

    ResponderExcluir
  6. A realidade é essa, embora não pareça, a essência muda. Sempre brilhante sua interpretação da vida, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...