Cidade Fantasma




Portas fechadas,
E as fachadas
Descascadas
Que a ninguém mais atraiam.

Cidade fantasma,
Profuso desfile
De miasmas
Colados às barras
Das saias rasgadas
Dos fantoches.

Archotes sem fogo,
O jogo perdido,
A ânsia em reter
Qualquer olhar,
Mesmo que inimigo.

Caminhos doridos,
A lama na sola,
A busca sem freios
Por esmolas.

Cidade fantasma,
As garras do tempo
Rasgando os momentos,
Puindo os bordados
Desmanchando as tramas
E manchando os véus.

Cidade fantasma,
Caminhos do inferno,
Via dolorosa,
As trilhas e curvas
Querendo chegar
Ao céu.





Comentários

  1. Esta tua CIDADE FANTASMA é um maravilhoso poema !

    Se me permites dizer, adorei logo o início :
    Portas fechadas,
    E as fachadas
    Descascadas
    Que a ninguém mais atraiam.


    Fosse eu um pouquinho mais novo e pensaria num livro com poesias tuas e imagens minhas !

    Um beijo, querida Ana.

    ResponderExcluir
  2. oi Ana

    Cidade fantasma, deve ser triste esquecida por muitos, desvalorizada por outros.


    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Ana,seu traço é forte e a poesia ficou maravilhosa! Bjs e boa semana,

    ResponderExcluir
  4. Triste , temos cidades fantasmas ainda hoje , de vivos que
    estão mortos.
    bjs
    e boa semana.
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Ana, e quantas cidades fantasmas vão se erguendo dentro de nós... passados que não mais trazem brilhos e felicidades, mas mesmo assim vamos alimentando até chegar a algum lugar...
    Lindo de se ler.
    www.euflordealfazema.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos