segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

ESPAÇO




Abrir os braços ao vento,
Tentar reter o espaço
Entre as fibras dos cabelos...

A pausa ficou no meio
Da viagem, do abraço,
Da tessitura dos medos.

E tudo era tão imenso,
Os voos, o azul profundo
Misturados no horizonte!

Muitas águas, muitas fontes,
Mas a porção permitida
Nas mãos em concha, contida.



Poema inspirado na figura abaixo - imagem retirada do Google






8 comentários:

  1. Adorei, que sua semana seja linda e leve como os versos.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Belo poema; belo momento lírico, belas imagens. Tu tens sensibilidade apurada.
    Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  3. Saliento o teu fina, Ana :
    Muitas águas, muitas fontes,
    Mas a porção permitida
    Nas mãos em concha, contida.


    Lá ao longe são aerogeradores ?
    Mais braços para abrir ao vento que passa.

    Muito bonito, querida amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, João. São sim! Esta é a praia de Canoa Quebrada, em Natal, Rio Grande do Norte.

      Excluir
  4. Ana, a imagem deu a você uma inspiração preciosa. Ficaram lindos seus versos! Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Belo soneto inspirado numa imagem, onde a ternura se mistura com a coragem.

    Um abraço, Élys.

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, querida Ana!
    também gosto de criar em base às imagens lindas... ficou divino!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...