terça-feira, 31 de março de 2015

Minha Roseira

Inspirada em um poema de Luiefmm, "CARAMUJO", publicado no Recanto das Letras




Minha Roseira


Minha roseira anda triste,
Debruçada sobre o muro...
Pendem rosas sem perfume,
Quase sem cor e sem lume, 
Transidas, num canto escuro.

Não tenho tempo de vê-las,
Cheirá-las, amá-las, colhê-las...

Elas se abrem de manhã
Desfolhando-se  à beira
Do mais triste anoitecer...

Roseiras da minha vida...
Sem a luz do meu olhar
Morrem tristes, ressequidas,
Esquecidas em um canto
De jardim, onde ninguém
Se lembrará de voltar!




sexta-feira, 27 de março de 2015

POR UM TRIZ






Se te deixa tão feliz
Acreditar nas minhas mentiras,
Que seja assim;
(Deixo-te crer
Que creio nas tuas).

A tranca da porta não tem trava,
Quebrou-se o cadeado,
Invade teu quarto o cheiro das ruas...
Mas te sentes protegido
Ao fingir que estás trancado.

Da bala perdida ao esconjuro,
Teu coração, malogrado,
Se arrasta no escuro
Em busca da luz - que eu te juro
Ainda brilha em mil vidrilhos.

Por um triz,
Antes do trem, tu sais dos trilhos,
Mas erras a letra e o estribilho,
Tropeças na trave dos teus olhos,
Mas vês os ciscos nos meus.

Por um triz,
Te crês feliz,
E eu te abençoo.




quinta-feira, 26 de março de 2015

É sempre a mesma coisa...







É Sempre a Mesma Coisa...


Acordo cedo, pois minhas aulas começam, geralmente, às sete da manhã. Gosto de ter tempo suficiente para tomar meu banho com calma, tomar café da manhã sentada e sem pressa, abrir a casa, cuidar dos meus cães e meditar alguns minutos. Portanto, eu geralmente me levanto às cinco e quarenta.  

Meus cães – Mottley e Leona – dormem na área de serviço, e mal escutam meus passos pela casa, começam a bater na porta de madeira. O dia começou, e eles estão ansiosos para brincar lá fora. Assim, abro a porta da cozinha que dá para o jardim e depois, abro a porta da área de serviço aonde eles dormem – as duas portas ficam bem em frente uma da outra. Os dois passam voando por mim, direto para o jardim, mas eu espero; sei o que vai acontecer logo em seguida: Mootley volta correndo, apanha um de seus brinquedos – geralmente, um caranguejo laranja – e com ele na boca, volta correndo para o jardim. Segundos depois, os dois voltam para me fazer muitas festinhas. Só então, partem alucinados para o jardim, Leona com sua bola, e Mootley com seu brinquedinho. Parecem dizer: “Oba!!! Começou mais um dia para sermos felizes!”

E eles não desperdiçam um só segundo. Olho para os dois brincando de correr, e a alegria deles me contagia. Vou preparar a sala de aula, e meia hora depois, ponho os dois de volta na casinha, pois está na hora de começar a trabalhar... o primeiro aluno logo vai chegar, e não vai ficar muito contente ao ser recebido por patinhas sujas de terra em sua roupa de trabalhar. Volto a soltá-los na hora do almoço.

ainda bebês


Toda vez que eles me veem, parece que é a primeira: a alegria com que me recebem é sempre a mesma, esfuziante, maluca, cheia de lambidas e carinhos, mesmo que tenham se passado apenas cinco minutos desde a última vez que nos vimos. 


Às vezes, quando eu os deixo soltos no jardim sem supervisão, chego na cozinha e os encontro sentados lado a lado, os narizes sujos de terra, feito dois anjinhos que nunca pecaram: é claro, sei que vou chegar no jardim e encontrar um buraco do tamanho do mundo... portanto, já vou munida de vassoura para tentar varrer a terra de volta para o buraco, mas ela nunca é suficiente para enchê-lo. Deixo a maior parte da tarefa para o jardineiro, especialista em tapar buracos de Mootley e Leona.

Hoje eu estava sentada à mesa da cozinha almoçando, quando escutei as patinhas de alguém chegando devagarinho. Senti que algo esbarrava em meu pé, e quando olhei, deparei com a bolinha verde da Leona. Era ela, me chamando para brincar. E vamos lá para fora. Eu jogo a bolinha e ela corre atrás, numa alegria tão grande e tão absoluta, arfando, trazendo a bola de volta para mim até cansar. Mootley só fica observando de longe... de repente, ele sai correndo, as orelhas enormes balançando, as patinhas curtas ganhando o gramado. Corre, apenas. Uma corrida sem razão, sem propósito. Alegria pura, prazer de viver. Derrapa nas curvas, os olhinhos arregalados, a língua para fora, e quando eu menos espero, ele vem na toda e pula sobre o meu colo! “Ainda bem que ele é pequeno,” penso. Deixa atrás de si tufos de grama arrancados.



Olho para o gramado, e vejo os brinquedinhos espalhados: uma bola amarela e uma verde, um caranguejo laranja, um elefante verde, uma meia velha, um pedaço de galho. Pontos de cor que falam da presença alegre dos dois. 

Minha cozinha e minha área de serviço nunca mais foram as mesmas. Tem sempre marcas de patinhas no chão, por mais que eu varra e limpe tudo várias vezes ao dia. O puxador do armário está roído, o jardim pede misericórdia. A porta de vidro da sala de estar está cheia de marcas de lambidas e patas enlameadas, e já desisti de querer vê-la sempre imaculadamente limpa. Limpo quando dá.

Mas mesmo assim, a casa é bem mais alegre quando a gente tem cachorros.




quarta-feira, 25 de março de 2015

Sombrio




Num canto escuro da casa
Os fantasmas aguardam sentados,
Os rostos na sombra,
As mãos nos joelhos,
Os olhos velados
Por sob os chapéus.

As mulheres murmuram
Debaixo  dos  véus,
Os lábios cerrados,
Os rostos em sépia,
Os pés calejados
Descalços e frios.

Os homens aguardam,
De olhos fechados;
Sonhando com o dia,
Se perdem na noite
Sonhos desbotados,
Da Terra do Nunca,
Da Terra do Nada
Jamais voltarão.


Não há nada errado,
É que eles se foram,
Eles já morreram,
Não são nem lembrança,
Pois não há ninguém
Que chore por eles,
Que chame seus nomes,
Que olhe os retratos!




segunda-feira, 23 de março de 2015

Num Instante






Pedaço quebrado de tempo,
O instante;
Jazendo entre a palavra,
O silêncio
E o livro na estante.

O tempo não perdoa,
Ele anda depressa,
E para quando bem quer:
Segura, entre os dedos,
O mister.

À janela,
Um pássaro bobo
Deixa um canto descuidado,
Caído,
Escorrendo sobre o reboco. 

Vem o tempo, e o silencia,
Vem o tempo e o ressuscita. 
Acende a luz da esperança
E assim, ao mesmo tempo,
Apaga as velas da vida.

O tempo não tem paciência,
Não perdoa o desperdício,
Não perdoa a nossa pressa,
Ele passa como quer,
Se encolhe, se estica,
Mas jamais fica.




ESPECTADORA







Eu ando pelo mundo feito espectadora,
Eu vejo a dor e o riso nas esquinas,
Nas calçadas, os sonhos caídos,
As bandeiras e os hinos,
Os destinos.

Me sento na praça, as pernas doridas,
Desencantada da vida,
Desejo o horizonte que ninguém anseia,
Pontuado de marés vazantes
E cheias.

Eu levo comigo um pequeno caderno,
Que me abre as portas do céu,
E as portas do inferno,
E nele eu escrevo as minhas impressões
(Que a ninguém interessam)
-Reflexões...

Eu ando pela rua como quem se perdeu,
E perdida, encontrou novos caminhos,
Alguém para quem as ausências 
Tornaram-se novas presenças,
As certezas absolutas,
 Meras crenças.

Eu fico cansada de tanto enxergar
De tanto fechar os olhos,
De tanto dizer e calar,
Pois sei que no fim,
No fundo, nada fica,
Nada vai sobrar...

Eu sou andarilha que não deixa marcas,
Meus pés pisam o chão sem desenhar pegadas,
Minha voz, o vento apaga,
Meu olhar deita-se sobre as paisagens
Sem deixar manchas,
Minhas mãos tocam o vazio das coisas,
O pó da estrada.

Um dia, nem este poema,
Nem esta página, 
Nem mesmo os tremas...

Pois sou espectadora que não aplaude nada,
Não é aplaudida,
Não vaia,
Não é vaiada,
Eu não sou forte nem fraca,
Eu olho tudo,
Mas não sou vista
Nem vejo quase nada.

Eu sou um espectro
Do meu próprio verso,
O reverso da rima
De uma poesia confiscada.



SILENTE






Manhã dourada de névoa
Pousada na relva,
Na selva fechada
Ecoam os pios
Dos pássaros:
As vozes trincadas
Caídas sem susto
Por sobre os arbustos
No fundo azul.

As gotas silentes
As tímidas gotas
Poeira de chuva,
Pousando nas folhas,
As flores, escolhas
Das joaninhas,
Das andorinhas,
Nos galhos finos,
Longas passarelas,
Lagartas.

Bem dentro da mata
Os olhos se perdem,
Os olhos vislumbram
Mistérios,
O peito pesado,
Coração fechado,
A voz do passado
Passando com o vento
Pousando no rosto
Molhado.



quinta-feira, 19 de março de 2015

Melancolia







Como pode ser bela, 
A melancolia!
É um raio de sol
Secando uma dor
Ao final do dia,
Chuva na vidraça,
Pensamento longe,
Os olhos perdidos,
Tempo que não passa...

-Mas há graça!
Está no silêncio,
No beijo solene
De um colibri
Na tarde silenciosa,
No canto embutido
Na mata fechada
Na voz das cigarras!

A melancolia
Que súbito, explode
Em cores miúdas
Na pele das flores,
O olhar caído
Sobre a poça d'água
Que mostra, no céu,
A nuvem que passa...

E assim, de repente,
Uma brisa cálida,
Qual sopro divino
Em nossos ouvidos...
Ah, melancolia,
Que chega de noite,
Que amanhece o dia...

E ela se cala,
Bem presa na ponta
De uma caneta,
E ela se liberta
E sangra da pena,
E sangra dos dedos
Por sobre o teclado
Virando poema...




segunda-feira, 16 de março de 2015

seda




Conceda-me um corte
Da tua seda
Para que eu teça
Um longo vestido
Para minha alma.

Prenderei as partes 
Com lindos botões, 
Pequenos feitiços
De madrepérola nacarada.

Pedirei às fadas
Que bordem teu nome,
Pedirei a Baco
Que sirva-me o vinho
Da tua sede.

Dá-me uma medida
De fita dourada
Tirada das beiras
Da tua vida
E cetim branco,
Para minhas anáguas...

Pedirei à Yara,
Rainha das águas,
Que molhe o vestido,
Que o deixe ajustado,
Colado em meu corpo.

E mais um pedido
Eu hei de fazer
Soprando-o no vento
À Nossa Senhora
Das Graças:

Que poupe o vestido 
Tecido das sedas
Que tu me cedeste
Dos dentes ruidosos
Das famintas traças.




sexta-feira, 13 de março de 2015

Abandono




No alto da colina esquecida,
A casa sonhava.

Ninguém mais ficava à janela,
Ninguém batia, 
Ninguém entrava!

Por dentro das paredes
Das quais caiam cores desbotadas,
A casa sofria,
A casa chorava...

Sonhava com outros dias:
Havia passos pelos corredores,
Nos quartos, os amores,
As flores nos canteiros,
A chuva pelas calhas...

Uma linda música
Que sempre tocava,
E  a mulher que a encerava!
-Por onde ela andava?

A lida na cozinha,
Crianças correndo,
Brinquedos espalhados
Pelo chão da sala...

"Por que," a casa pensava,
"Deixaram-me assim, abandonada?"

Mas entre as colunas 
Que o tempo gastava,
Ninguém mais passava,
A não ser o vento...

E até as memórias
Há tanto guardadas,
Morriam,
Amareleciam
Entre as paredes
Da casa abandonada...



quinta-feira, 12 de março de 2015

As Palavras Dela na Minha Boca





As Palavras Dela na Minha Boca

Trecho do livro "Tudo Vai Bem Mas me Sinto Mal, de Lucia Canovi


"De acordo com os gurus da Nova Era, seríamos nós que criaríamos de A a Z nossa própria realidade, controlando o desenvolvimento de nossa existência a um nível  sobrenatural e metafísico. Segundo eles, seríamos nós que, antes de nascer, decidiríamos ter nariz arrebitado ou pés chatos. Escolheríamos desembarcar nesta ou naquela família porque saberíamos que com aqueles determinados pais aprenderíamos a ter compaixão, ou tocar berimbau, ou acertaríamos nosso Karma. A única coisa que nos impediria de saber que absolutamente todas as circunstâncias de nossa vida foram escolhidas por nós, seria o esquecimento. Seríamos não apenas águias que se creem galinhas, mas seres  todo-poderosos usufruindo de uma liberdade ilimitada, cuja chave foi perdida. Em outras palavras, deuses amnésicos sofrendo de complexo de inferioridade. 

Francamente...um deus cuja existência começou como uma gota de esperma, que vai ao banheiro várias vezes ao dia, que precisa de sabonetes de lavanda e desodorantes para não cheirar mal, que fica velho e caquético, tem medo de aranhas, de trovão, do fisco ou de outra coisa qualquer, tem que se alimentar sempre e não é nem mesmo capaz de evitar a morte, é mesmo um deus?"




Este texto diz exatamente aquilo que eu às vezes tento colocar em palavras e não consigo. Após a Idade Obscura, as pessoas mergulharam em um mar de ilusões tão profundo, que passaram a enxergar-se como deuses e senhores da existência. Um salto repentino entre os que viviam mergulhados na superstição e na escuridão e que nada podiam, e os que 'enxergaram finalmente a luz' e tudo podem: "Basta querer, desejar e fazer pensamento positivo e tudo chegará até você."  Ou como disse aquela moça naquela musiquinha irritante: "Tudo o que eu quiser, o 'cara' lá de cima vai me dar."

Eu também tive essa minha fase de "Você pode tudo o que quiser." Ela veio logo após um período infeliz durante o qual, a fim de sair do fundo do poço, comecei a ler e absorver - quase sem questionar - tudo o que caía na minha frente. Bem, a maturidade me trouxe uma visão diferente. Descobri , entre outras coisas, que:

-A gente não pode tudo. O universo não conspira a nosso favor (ou contra nós). Ele apenas é. Nós apenas somos. Se eu quiser conquistar alguma coisa, tenho que me empenhar e acreditar, mas saber que posso falhar, que esta possibilidade existe, e não significa fracasso. Não significa que eu não mereço ou que estou sendo castigada por alguma coisa que eu fiz na minha existência passada. Apenas não deu. É partir pra outra.

-Deus não está nem aí para as nossas pequenas amarguras e nossos pequenos desejos. Ele não vai ajudar ninguém a conseguir o carro do ano, a bolsa de marca ou a cura para uma doença grave se a própria pessoa não se empenhar naquilo que deseja. E mesmo assim, com empenho, fé e vontade, quem manda na estrada não somos nós. Não dirigimos pela estrada, é ela que nos leva aonde temos que chegar. O volante é apenas uma ilusão para facilitar as coisas. 

-Como na recente história do vestido que a alguns parece branco e dourado, enquanto a outros parece azul, estamos cercados de ilusões e visões distorcidas. Quem ler um pouquinho, só superficialmente, sobre Física Quântica, verá que não sabemos absolutamente nada, e que muitas - talvez a maioria - das coisas que enxergamos simplesmente não são como as vemos. E afinal, quem está certo e quem está errado? Como podemos ter tanta certeza assim?

-Duvido de qualquer pessoa ou de qualquer segmento religioso que ofereça uma explicação coerente para tudo o que nos cerca, servida de bandeja à "população menos esclarecida" gratuitamente por algum mestre ou guru. Existe muita coisa nessa vida para as quais não conhecemos e talvez jamais venhamos a conhecer as respostas. E mesmo que perguntar não ofenda e seja divertido, as formigas jamais compreenderiam o que é enxergar através dos olhos de uma girafa - portanto, uma girafa inteligente nem perderia tempo tentando explicar.

-Ando aprendendo que discutir pode ser esclarecedor e divertido, mas que raramente alguém mudará o pensamento de outro, não importam quais argumentos ele ofereça. Cada um vai enxergar apenas aquilo que o olho está pronto para ver.

-Pode ser que tudo aí em cima esteja errado.





segunda-feira, 9 de março de 2015

SOLIDÃO

cdf2.jpg



A imagem pertence ao site segundaguerra.org - o poema é baseado nela


Eu sou daquela rua de casas sem telhas,
Janelas banguelas, vidraças quebradas...
Fantasmas passeiam, se prendem nas teias
Que tecem memórias por entre as fachadas.

Eu vou de casa em casa sem ser acolhida,
Ando contra o vento, perdida de mim...
Eu sou daquela rua onde a vida se cala
À porta da sala de um dia infeliz.

Na poça, o luar em estranho matiz
Projeta suas sombras por sobre a calçada
Por onde eu caminho, na rua deserta...
Sem eira nem beira, mendiga, descalça!

Estrelas de absinto, ah, luzes amargas!
Prenúncio do fim que me aguarda na esquina...
Nem Deus nem demônios trataram-me as chagas,
Andar nessa rua é minha dor e sina...

Eu sou daquela rua, silenciosa e nua,
Coalhada de espectros de tez infeliz...
 Partem sem bagagem, a esperança não estua,
Eu sou daquela rua onde  ninguém me quis...


domingo, 8 de março de 2015

quarta-feira, 4 de março de 2015

BOLHAS DE SABÃO







As promessas
São como bolhas de sabão,
Lindas, coloridas, cristalinas,
Refletem a paisagem
Na frágil superfície.

Singram os céus,
Levam consigo os nossos sonhos
E esperanças.

As promessas
Feitas de palavras doces
E incontroláveis,
Não conhecem os limites
Das mentiras voláteis!

-Ah, tolo de quem nelas crê!
O destino de toda promessa
É sumir, aos poucos,
Estourando no ar
Qual bolha de sabão!




terça-feira, 3 de março de 2015

Viver a Vida Plenamente




Sou adepta do silêncio e dos pequenos grupos de pessoas. Gosto de escutar música, caminhar, brincar com cachorros, ler e escrever. Minha personalidade é mais para introvertida. Gosto de viajar, mas não faço questão de estar sempre viajando, pois adoro a minha casa, o meu cantinho. Amo estar no meu jardim, ou em lugares próximos à natureza, gosto de cuidar da casa, e quando tiro fotografias, prefiro retratar paisagens. Resumindo: ser assim, é considerado ser chato pela a maioria das pessoas, mas eu não me importo.

Hoje se fala muito em viver a vida plenamente; e isto seria: sair muito, ir para a balada todo final de semana, comparecer a e dar muitas festas, viajar pelo menos duas vezes ao ano, ter centenas e centenas de amigos em redes sociais e postar dezenas de fotos com amigos posando de braços abertos, dando gargalhadas,  e tirar muitos "selfies" sorridentes.

Acho muito válido para quem realmente aprecia tais coisas. Se a gente está fazendo aquilo que gosta, está vivendo plenamente. Mas acho necessário parar e pensar se fazemos as coisas que fazemos porque nós queremos de verdade, ou porque é o que os outros esperam que façamos. 

Quem vive plenamente faz o que gosta e não se importa com o que os outros pensem, mesmo que seja considerado um chato ou careta. E quem acaba colocando aquela foto sorridente, de braços abertos, muitas vezes está com medo de que os outros pensem que ele (a) é infeliz ou não vive plenamente. Para mim, o pior tipo de escravidão é quando uma pessoa precisa ser como os outros acham que ela deve ser. Já passei por isso, e é terrível acordar todos os dias pensando em passar uma boa impressão, ou, ao comprar roupas, pensar se tal e tal pessoa aprovarão a nossa escolha. Ter sempre cuidado antes de dizer alguma coisa, pensando se aquilo seria o 'adequado', ou seja, o que os outros desejam ouvir. Sentir-se arrasado diante de uma opinião negativa ou maldosa a nosso respeito. É terrível! Chega-se a um ponto em que nós nos procuramos e não nos encontramos mais, sufocados que estamos sob conceitos, regras e opiniões alheias. E medo, muito medo.

As pessoas tendem a achar que, se os outros não agem como elas, estão errados. Dentro de sua redoma de orgulho, não enxergam que cada um é feliz à sua maneira, e contribui como pode e como sabe para a sociedade, e que nem todas as pessoas tem a mesma forma de agir ou de colaborar que elas. É comum ouvir frases como: "Fulano é um fracassado," pois não tem muitos amigos, ou então "Sicrano tem um emprego medíocre," pois não trabalha doze horas por dia em uma multinacional ganhando um salário exorbitante. Tudo isso são apenas rótulos. Rótulos de papel e cola, que não resistem à primeira chuva: desbotam e derretem, deixando exposta a verdadeira superfície e o conteúdo da garrafa. 

Uma etiqueta famosa em uma camiseta não torna mais inteligente aquele que a usa; um símbolo famoso em um smartphone não garante sucesso e reconhecimento reais. Aquilo que cada um é está abaixo da superfície e descansa intocado sob rótulos, etiquetas famosas e fotos sorridentes.A maquiagem social é apenas uma máscara criada pelo desespero.




segunda-feira, 2 de março de 2015

A Vida de um Professor - Além da Sala de Aula


Eu, aos nove anos, na segunda série primária lendo um discurso para a Tia Franci - educadora que permitiu-me estudar em uma escola particular excelente durante cinco anos sem pagar nada - chance que aproveitei ao máximo e pela qual sou grata até hoje.



Há muito tempo, dei muitas risadas ao ler na revista Seleções um curto texto na seção "Rir é o melhor remédio;" naquela época, eu ainda era uma aluna adolescente que nem sequer suspeitava que um dia seria professora, mas até hoje eu me lembro perfeitamente daquele texto, pois ele me vem à cabeça várias vezes ao longo dos anos em que tenho ensinado Inglês. É mais ou menos assim (o autor era um dos leitores da revista, e não me recordo do seu nome):

Mãe e filha de oito anos faziam compras no supermercado, quando a menina avistou sua professora primária. Surpresa, perguntou à mãe: "Mãe, então a professora come a mesma coisa que a gente?" Para a menina, a professora deveria ser alguma espécie de ser com botão de liga e desliga, que era ligado pelo diretor da escola pouco antes da aula e desligado logo em seguida.

Mas há pessoas que ainda pensam assim. Se esquecem que um professor é apenas uma pessoa com suas limitações e problemas, igualzinho a elas. E quando ele faz uma gentileza - como por exemplo, substituir uma aula a qual ele faltou sem cobrar nada por isso - é apenas uma gentileza, e não uma obrigação. 

Quando um aluno entra de férias, a vida de um professor não se interrompe; as contas a pagar continuam chegando: água, luz, gás, telefone, cartão de crédito. Por isso, em todas as escolas, universidades  e cursos de línguas, os alunos pagam também pelo período de férias. Pense bem: se você pagar pela sua academia de ginástica e não comparecer, eles devolverão o seu dinheiro? Se você adoecer e deixar de ir à escola ou à universidade por alguns dias, eles substituirão suas aulas sem nenhum custo, ou darão algum desconto pelo tempo que você esteve fora? Se você faltar a um teste, poderá escolher um novo dia para fazê-lo sem custo nenhum?

 Há muitos equívocos que, por mais que se tente esclarecer educadamente, as pessoas não querem ou não conseguem entender: professores comem. Professores particulares cobram por aluno, e não é possível colocar dois ou mais alunos no mesmo horário e receber apenas uma mensalidade.  Professores tem contas a pagar, trabalham muito e tem o direito a ter horários livres nos quais eles vão ao médico, fazem compras, limpam as suas casas, namoram ou simplesmente (e raramente) descansam.

Quando um professor atrasa uma conta, ele paga com juros e correção - igualzinho a todo mundo. O fato de o professor não cobrar juros dos seus alunos é um ato de carinho e consideração, e isso não quer dizer que os alunos possam atrasar suas mensalidades e pagar quando bem entenderem. No período de férias ou durante uma viagem, o professor não tem nenhuma obrigação de guardar o lugar de um aluno se este saiu e não pagou as mensalidades. 

Um professor é um profissional como outro qualquer. Um professor também já foi aluno, e por isso, muitas vezes ele dá um desconto ou uma aula de reposição sem cobrar nada por isso, mas ele não tem a obrigação de fazer isso sempre. 

Acho que todos precisamos repensar esta profissão, hoje em dia, tão desvalorizada! Sem o professor, este país seria ainda pior do que já é. Sem o professor, não se formariam novos profissionais em profissão alguma, ninguém aprenderia línguas estrangeiras, ninguém teria a chance de progredir. O futuro de um país pode estar nas crianças que vivem nele, mas sem os professores que as ensinam, que futuro será este?


REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...