sábado, 10 de outubro de 2015

EU E A ESPERANÇA





Passamos a noite abraçadas,
Eu e a esperança.
Carinhosamente,
Ela moveu seus dedos
Entre meus cabelos,
Para que meu sono fosse leve.

Ao despertar,
Compreendi minha solidão,
Pois a esperança
É uma trança frouxa
Que se desmancha ao amanhecer.




7 comentários:

  1. Vejo tanta tristeza nas tuas palavras, Ana, que até me dói o coração...
    Mas que o poema é magnífico, isso é !

    Um beijo que se prenda nos teus cabelos dia e noite.

    ResponderExcluir
  2. Precisamos da esperança para sonhar,
    que são se torne volátil ao amanhecer,
    mas que nos acompanhe para o viver.
    Lindo, Ana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Uau. A esperança só existe quando sonhamos. Belíssimo.

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde, Ana.
    Que jeito interessante de ver a esperança,totalmente demais.
    A poetizou bem demais.
    Sem ela, nossos sonhos acabam e a ilusão fica.
    Bom demais.
    Tenha uma semana de paz.
    Beijos na alma.

    http://divasdapoesianaturalmente.blogspot.com.br/2015/10/o-habitante-by-patricia-pinna-zilda.html

    http://redescobrindoaalma.blogspot.com.br/2015/10/dialogo-com-chronos.html

    ResponderExcluir
  5. Ana, me embrenhei nesses versos. Preciso urgente refazer as tranças e torcer para não desmancharem no primeiro deslize.

    Tua poética toca meus sentidos...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...