quarta-feira, 26 de agosto de 2015

RESENHA - O SOL É PARA TODOS






O SOL É PARA TODOS 
AUTOR: HARPER LEE
Editora José Olympio, ano 2015
categoria - Romance

Esta resenha não é bem uma resenha; na verdade, ela é o relato de um reencontro entre amigos. Vou explicar melhor: li este livro pela primeira vez quando tinha doze anos de idade. Fiquei fascinada pelos história, e minha mente de pré-adolescente, que se impressionava com muita facilidade, apaixonou-se pelos personagens. Eu também queria conhecer pessoalmente Boo Radley, o recluso que morava próximo da casa dos Finch. Desejei poder ser amiga de Jem e Scout Finch, as crianças curiosas das quais Calpúrnia, a criada negra, ajudava Atticus Finch a cuidar. Eu quis viver naqueles conturbados anos da Primeira Guerra, durante os quais aquelas pessoas viviam. 


Eu era apenas uma criança, e tive que reler várias passagens para poder compreender melhor o que estava acontecendo na história, pois não estava familiarizada com julgamentos ou com certos conceitos e termos. Hoje, eu sei que o foco principal da história foi o fato de um advogado branco defender um homem negro acusado de estupro, e isto, no Alabama, onde reinavam o preconceito e a Ku-klux Klan. Mas, naquela época, o meu foco eram as crianças e suas aventuras. Confesso que desenvolvi uma paixonite por Boo Radley, e cheguei até mesmo a sonhar com ele uma noite.

Ao terminar de ler o livro, tive que devolvê-lo, pois não me pertencia, e foi como despedir-me de pessoas reais das quais eu tinha aprendido a gostar muito, e eu o fiz com grande pesar. Durante anos, tentei adquirir um novo exemplar em sebos e mais tarde, pela internet, mas só consegui há um mês, na livraria virtual da amazon. com. Encomendei a edição de papel, pois queria ter a mesma sensação que tive ao ler o livro pela primeira vez.

Estava um pouco apreensiva; será que ao reler o livro, agora como uma mulher adulta, eu perceberia que era apenas mais um livro? A magia da primeira leitura teria sido apenas fruto da imaginação fértil de uma criança?


No filme de 1962, Robert Duval interpretou Boo Radley...

Finalmente, o livro chegou, e assim que pude, comecei a lê-lo. Mal o tinha aberto, e parecia ter entrado nas páginas e reencontrado velhos amigos, dos quais eu me lembrava com saudade, e abracei-os um a um. A minha paixonite, desta vez, não foi por Boo Radley, mas por Atticus Finch, o advogado que defendeu Robinson. As crianças, que permaneceram crianças, despertaram-me uma ternura diferente, e finalmente, pude compreender Tia Alexandra e sua quase obsessão em proteger Scout e Jem. Eu não gostara muito dela na primeira leitura.


...E Gregory Peck ficou com o Oscar de melhor ator interpretando Atticus Finch

Ao terminar o livro, agora com uma compreensão bem mais abrangente de tudo o que o autor tentou mostrar, fiquei feliz ao perceber que a magia não morreu: pelo contrário, ela aumentou, ganhando novos significados.

O Sol é Para Todos é um livro que deveria ser lido por todo mundo, crianças e adultos, e debatido em salas de aula e grupos de leitura. Ele ensina a compreensão, a reflexão e a tolerância, num mundo onde todas as conclusões são tomadas rapidamente e sem maiores considerações. Ele ensina o valor da amizade, dos bons vizinhos e da gratidão. Desnecessário dizer que é uma linda história, mas direi assim mesmo.


5 comentários:

  1. Lindo, pois é, a pureza da alma infantil faz as leituras nos levar a um mundo mágico, eu sempre me lembro dos livros que me levaram a essa magia, mesmo depois de adulta eu lia, li todos os livros de José Mauro de Vasconcelos, todos os livros de contos de fadas, ainda amo esse mundo infantil, leituras e filmes que transportam a um tempo que, acredito não volta mais!
    Amei ler aqui amiga Ana, concordo plenamente contigo sobre a mesma impressão que sentimos ao reler um livro, pois na relida se entende melhor e se pode vivenciá-lo quase que com as mesmas emoções!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. De cara amei a capa
    Ilustração e cores
    Amei o nome
    E ai ao te ler, decretado: foi para lista

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune, atrevo-me a dizer; pode haver conteúdos de uns livros que nos marcam mais do que outros, pelo menos na juventude. Mas as leituras, fazem partem por inteiro da nossa formação. Digo isto como leitor compulsivo, desde bem novinho.

    Por falar em livros, O SORRISO DE DEUS, por ora blog, mas futuro livro, convida a uma visita.
    Beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Há Flores Espirituais em Mim

Uma participação dedicada à amiga Rosélia, pelo oitavo aniversário de seu blog: Sinto que há flores espirituais em mim ...