O JARDIM







De repente,
Largou os brinquedos e os enredos,
Abandonou, sem medos,  seu cowboy
Seguindo a estranha moça até o portão.

Disseram que eles foram de mãos dadas,
Deixando, no quintal, abandonadas,
A infância, as esperanças, a ilusão.

De repente,
O vento trouxe a chuva sobre tudo,
Enferrujou gangorras e balanços,
E apagou os passos pelo chão.

Disseram que ele não deixou bilhetes,
Mas a voz de criança, num falsete,
Ecoa, às vezes, entre a solidão.



UMA HOMENAGEM A TODAS AS CRIANÇAS ROUBADAS, DAS QUAIS NINGUÉM NUNCA MAIS TEVE NOTÍCIAS.




Comentários

  1. Assustador
    Triste demais
    E seu poema, conforto com poesia
    Homenagem que guia para um sentir e enviar o amor nunca perdido

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana, meu deu um aperto no coração, a pior coisa que pode acontecer a uma mãe, é quando lhe roubam os filhos. A gente fica com o coração nas mãos, pensando em como estará sua cabecinha. Imagina a confusão da criança numa situação dessas. Vivi uma vida apavorada por isso, meus filhos foram raptados e permaneceram em casa.
    A dor é sufocante, que nem os versos conseguem amenizar.
    Que Deus conforte e devolva todas as crianças, para seus verdadeiros pais.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Ana nossa me emocionou, é tão triste e pode acontecer com qualquer um muito triste, bjos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos