sexta-feira, 7 de agosto de 2015

O JARDIM







De repente,
Largou os brinquedos e os enredos,
Abandonou, sem medos,  seu cowboy
Seguindo a estranha moça até o portão.

Disseram que eles foram de mãos dadas,
Deixando, no quintal, abandonadas,
A infância, as esperanças, a ilusão.

De repente,
O vento trouxe a chuva sobre tudo,
Enferrujou gangorras e balanços,
E apagou os passos pelo chão.

Disseram que ele não deixou bilhetes,
Mas a voz de criança, num falsete,
Ecoa, às vezes, entre a solidão.



UMA HOMENAGEM A TODAS AS CRIANÇAS ROUBADAS, DAS QUAIS NINGUÉM NUNCA MAIS TEVE NOTÍCIAS.




4 comentários:

  1. Assustador
    Triste demais
    E seu poema, conforto com poesia
    Homenagem que guia para um sentir e enviar o amor nunca perdido

    ResponderExcluir
  2. Olá Ana, meu deu um aperto no coração, a pior coisa que pode acontecer a uma mãe, é quando lhe roubam os filhos. A gente fica com o coração nas mãos, pensando em como estará sua cabecinha. Imagina a confusão da criança numa situação dessas. Vivi uma vida apavorada por isso, meus filhos foram raptados e permaneceram em casa.
    A dor é sufocante, que nem os versos conseguem amenizar.
    Que Deus conforte e devolva todas as crianças, para seus verdadeiros pais.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Ana nossa me emocionou, é tão triste e pode acontecer com qualquer um muito triste, bjos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

MISTÉRIO

  Existe um jardim, e nele, uma flor Que todos procuram Embora alguns digam que ela não é. E muito se diz sobre a sua cor: Vermelha o...