quarta-feira, 8 de abril de 2015

QUERIA






Queria poder tecer a beleza
Com agulhas de tricô mágicas,
Que desafiassem minha falta de jeito,
Minha falta de dom,
Meu tom pretensioso
(Às vezes jocoso)
De dizer o que digo.

Queria enxergar além,
Para bem dentro do meu umbigo,
Para bem fora das minhas órbitas
Longe e perto de mim,
Pegar no ar a beleza...

-Tristeza!
Pois sei que minhas palavras
Não lavram os campos das almas...
No máximo, semeiam ideias
Que morrem de impacto
Às falésias de minhas falácias.

No final, às traças
O que melhor de mim houver,
Memórias e essências,
Restos da tecitura
De uma obscura mulher.


7 comentários:

  1. Boa tarde Ana, muito lindo labor, intenso e delicado ao mesmo tempo, parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Preciosas letras e imagen!
    Que tengas un día fantástico, cariños.

    Bajo la Lupa

    ResponderExcluir
  3. Olá, querida Ana
    E porque almejou em se coração, teceu um lindo poema!!!
    Bjm pascal

    ResponderExcluir
  4. Voce esta voando alto Ana nestas inspirações intimistas.
    Bravo amiga.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

MISTÉRIO

  Existe um jardim, e nele, uma flor Que todos procuram Embora alguns digam que ela não é. E muito se diz sobre a sua cor: Vermelha o...