quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Viktor Frankl




Viktor Frankl


"Existem sobre a terra duas raças humanas e realmente apenas essas duas: a "raça" das pessoas direitas e a das pessoas torpes."



"Quem tem um 'porquê' enfrenta qualquer 'como'."



"Quando a circunstância é boa, devemos desfrutá-la; quando não é favorável devemos transformá-la e quando não pode ser transformada, devemos transformar a nós mesmos."



"A vontade de humor -- a tentativa de enxergar as coisas numa perspectiva engraçada -- constitui um truque útil para a arte de viver."





Um curto trecho do prefácio de seu livro  "Man's search for meaning:"


"O escritor e psiquiatra Viktor Frankl costuma perguntar a seus pacientes quando
estão sofrendo muitos tormentos grandes e pequenos "Por que não opta pelo
suicídio?" É a partir das respostas a esta pergunta que ele encontra,
freqüentemente, as linhas centrais da psicoterapia a ser usada. Num caso, a pessoa
se agarra ao amor pelos filhos; em outro, há um talento para ser usado, e, num
terceiro caso, velhas recordações que vale a pena preservar. Costurar estes débeis
filamentos de uma vida semi-destruída e construir com eles, um padrão firme, com
um significado e uma responsabilidade - este é o objetivo e o desafio da logoterapia,
versão da moderna análise existencial elaborada pelo próprio Dr. Frankl. 

..........................

No campo de concentração todas as circunstâncias conspiram para fazer o
prisioneiro perder seu controle. Todos os objetivos comuns da vida estão desfeitos.
A única coisa que sobrou é "a última liberdade humana" - a capacidade de escolher
a atitude pessoal que se assume diante de determinado conjunto de circunstâncias".
Esta liberdade última, reconhecida pelos antigos estoicos e pelos modernos
existencialistas, assume um vívido significado na história de Frankl. Os prisioneiros
eram apenas cidadãos comuns; mas alguns, pelo menos, comprovaram a
capacidade humana de erguer-se acima do seu destino externo ao optarem por
serem "dignos do seu sofrimento". 




Um trecho do livro:



O destino - um presente

 Da maneira com que uma pessoa assume o seu destino inevitável, assumindo com
esse destino todo o sofrimento que se lhe impõe, nisso se revela, mesmo nas mais
difíceis situações, mesmo no último minuto de sua vida, uma abundância de possibilidades de dar sentido à existência. Depende se a pessoa permanece
corajosa e valorosa, digna e desinteressada, ou se na luta levada ao extremo pela
auto-preservação ela esquece sua humanidade e acaba tornando-se por completo
aquele animal gregário, conforme nos sugeriu a psicologia do prisioneiro do campo
de concentração. Dependendo da atitude que tomar, a pessoa realiza ou não os
valores que lhe são oferecidos pela situação sofrida e pelo seu pesado destino. Ela
então será "digna do tormento", ou não.
 Ninguém pense que essas reflexões estejam distantes da realidade da vida e do
mundo. Sem dúvida, poucas e raras são as pessoas capazes e à altura dessa
elevada proposta. Pois poucos foram os que no campo de concentração mantiveram
a sua plena liberdade interior e puderam alçar-se à realização daqueles valores
possibilitada pelo sofrimento. E mesmo que tivesse sido um único apenas - ele
bastaria como testemunho para o fato de que a pessoa interiormente pode ser mais
forte que seu destino exterior, e isto não somente no campo de concentração.
Sempre e em toda parte a pessoa está colocada diante da decisão de transformar a
sua situação de mero sofrimento numa produção interior de valores. Tomemos o
caso dos doentes, particularmente os incuráveis. Li certa vez a carta de um paciente
relativamente jovem comunicando ao seu amigo que acabara de ficar sabendo que
sua vida não duraria muito mais e que mesmo uma operação não o salvaria. Mas
escrevia ainda nesta carta que justamente agora se lembrava de um filme no qual
um homem encarava a sua morte com disposição, dignidade e coragem. Naquela
ocasião, quando assistiu o filme, este nosso paciente pensara que só pode ser "um
presente do céu" caminhar em direção à morte com essa atitude, de cabeça erguida,
e agora - escrevia ele – seu destino lhe dera essa chance.
 Anos atrás vimos outro filme, "Ressurreição", baseado num romance de Tolstoi.
Quem então não pensou a mesma coisa: Que destinos grandiosos, quão grandes
personalidades! Nós de certo não teremos um destino tão glorioso e por isso jamais
poderemos alcançar semelhante grandeza humana. . . Terminada a sessão de
cinema, íamos tomar um café, comer um sanduíche e acabávamos com essas
estranhas idéias metafísicas que por um momento haviam cruzado nosso
pensamento. Mas quando a gente mesmo se via colocado perante um destino
grandioso, quando a gente mesmo se defrontava com a decisão de fazer frente ao
destino com grandeza interior própria, já tínhamos esquecido aqueles propósitos
pouco sérios e acabávamos falhando. . .
 Para este ou aquele, entretanto, talvez tenha chegado o dia em que estava
novamente sentado no cinema assistindo ao mesmo filme, ou a um filme
semelhante, enquanto que interiormente o seu olhar imaginativo assistia
simultaneamente ao filme de lembrança, de lembrança daquelas que jamais
realizaram em sua vida tudo isso, e mais ainda do que o pode mostrar uma
produção cinematográfica de cunho sentimental. Quem sabe, então nos ocorre esse
ou aquele detalhe dessa ou daquela história da grandeza interior de determinada
pessoa - como por exemplo a história de uma mulher jovem morrendo no campo de
concentração, da qual fui testemunha. A história é singela, não há muito o que
contar, e mesmo assim ela soará como que inventada, de tão poética que ela se me
afigura.
 Essa jovem mulher sabia que teria que morrer nos próximos dias. Quando falei com
ela, ainda assim estava bem disposta.
 "Sou grata a meu destino por ser assim tão duro comigo", foi o que ela me disse
textualmente, "pois em minha vida burguesa anterior eu estive mal-acomodada
demais e minhas ambições espirituais não eram lá muito sérias." Em seus últimos dias ela estava completamente ensimesmada. "Essa árvore ali é única amiga em
minhas solidões", disse-me ela apontando pela janela do barracão. Lá fora um
castanheiro estava em plena florescência e do catre da enferma podia-se enxergar,
pela pequena janela do barracão da enfermaria, um único ramo verdejante com
duas flores. "Com essa árvore eu converso muitas vezes", disse ela. Fico meio
desconcertado, sem saber como interpretar as suas palavras: Estaria ela sofrendo
de alucinações e delírios? Por isso lhe pergunto se a árvore também lhe responde -
sim? - e que lhe estaria dizendo. Respondeu-me: "Ela me disse, estou aqui, eu -
estou - aqui - eu sou a vida, a vida eterna..." 





Um comentário:

  1. Ana, imagino a cabeça de Viktor Frankl acompanhando as pessoas marcadas para morrer, encarando dignamente, sem nenhuma resistência. Acredito, que depois da experiência em campo de concentração, ele deva ter se convertido. Quem opta pelo suicídio, geralmente, acha que não é capaz de superar o obstáculo pelo qual está passando, não aceita e, se vê num beco sem saída; mas quem, embora diante da morte eminente, enfrenta dignamente, é por acreditar na libertação após a morte e num Ser Superior que vai "premia-lo". Acreditar em Deus e buscar a Ele, mudou minha vida, retirei o peso que carregava e hoje confio que Ele me ama e protege. Não estou mais sozinha. Gostei muito deste post, obrigada por partilhar, abraços carinhosos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O Mesmo Céu

Participação no blog Filosofando na Vida, da Professora Lourdes: O Mesmo Céu Naquela noite em que nós nos deitamos E juntos...