sábado, 3 de janeiro de 2015

O Lírio








Ao som da corrente do rio,
Do assovio lento de uma brisa
E do cantar distraído de um passarinho,
Abriu-se o lírio.

Branca e leitosa cor,
Suave perfume, quase nuvem,
Protegido no colo macio das folhas,
Viu o céu,
Sentiu o sol,
Bebeu da chuva,
E desfolhou-se.

As pétalas cairam no rio, 
Ou foram levadas pelo vento,
Ou tornaram-se secas de tanto sol,
Ou moles de tanta chuva...

A beleza que o trouxe,
Recolheu-o no final.
Mas deixou no ar
Um leve perfume...



3 comentários:

  1. Oi Ana, você me fez lembrar que já não se fala muito em lírio e ele tem um perfume gostoso... Agradeço por recordar de uma flor que eu gostava muito. Antes não gostava das rosas, acredita? A gente tem cada mania, né...
    Mas a sua alma e mente poética, nos fez reviver com doçura, a pureza do Lírio. Agradeço por compartilhar, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Linda inspiração ,Ana! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Que do assovio lento de uma brisa que a todos os males ameniza resplandeça ainda mais toda a inspiração que renasce a cada aurora em tua alma. Parabéns Ana Bailune, mais um lindo e encantador poema que você nos brinda. Tudo bom.
    Robert Thomaz

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...