O Lírio








Ao som da corrente do rio,
Do assovio lento de uma brisa
E do cantar distraído de um passarinho,
Abriu-se o lírio.

Branca e leitosa cor,
Suave perfume, quase nuvem,
Protegido no colo macio das folhas,
Viu o céu,
Sentiu o sol,
Bebeu da chuva,
E desfolhou-se.

As pétalas cairam no rio, 
Ou foram levadas pelo vento,
Ou tornaram-se secas de tanto sol,
Ou moles de tanta chuva...

A beleza que o trouxe,
Recolheu-o no final.
Mas deixou no ar
Um leve perfume...



Comentários

  1. Oi Ana, você me fez lembrar que já não se fala muito em lírio e ele tem um perfume gostoso... Agradeço por recordar de uma flor que eu gostava muito. Antes não gostava das rosas, acredita? A gente tem cada mania, né...
    Mas a sua alma e mente poética, nos fez reviver com doçura, a pureza do Lírio. Agradeço por compartilhar, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Linda inspiração ,Ana! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Que do assovio lento de uma brisa que a todos os males ameniza resplandeça ainda mais toda a inspiração que renasce a cada aurora em tua alma. Parabéns Ana Bailune, mais um lindo e encantador poema que você nos brinda. Tudo bom.
    Robert Thomaz

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos