terça-feira, 4 de outubro de 2016

Te Vi Criança






Sonhei contigo, te vi criança,
A mesma que há tanto tempo conheci.
Estavas nua, e entre as andanças
De pessoas que iam e vinham na calçada,
Sem te verem, naquela tarde alquebrada,
Eu te reconheci.

Parei, olhando em volta,
Te dei a mão, dizendo:
"Vem comigo, menininha, 
Vou te levar daqui!
Mas antes, vamos àquela loja
Achar um pano pra te cobrir!"

E tu sorriste, tranquilamente,
Desvencilhando-se do meu abraço
E me dizendo, bem calmamente:
"Eu estou bem, está tudo bem,
Não sinto frio, nem fome ou sede,
Eu estou bem..."

E na inocência da tua nudez
Sem frio ou dor, ou falsa polidez,
Senti o cheiro dos teus cabelos,
Um cheiro doce, que há muito tempo,
Um dia, eu senti,
E depois, conforme os anos nos separavam,
Dele eu me esqueci.

Pedi perdão por não despedir-me,
Por não ter sido tão corajosa
Para encarar os milhões de erros
Que nós, tão tolos,
E tão cruéis, contra ti cometemos.

Deixei-te em paz: pois naquela noite,
Me visitaste, e o que ficou,
Foi o perdão daquele sorriso,
A tranquilidade daquele rosto,
E o som doce das tuas palavras:
"Eu estou bem, me deixe ir!"





5 comentários:

  1. Bom dia, Ana, quanta beleza e pureza na criança!
    Maravilhosa visita...
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, querida Ana!
    Muito linda a inocência de criança e dos que sabem encarar a polidez autêntica!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. Uma linda visita onde a inocência de uma criança, só nos faz bem.
    Um abraço. Élys.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...