Te Vi Criança






Sonhei contigo, te vi criança,
A mesma que há tanto tempo conheci.
Estavas nua, e entre as andanças
De pessoas que iam e vinham na calçada,
Sem te verem, naquela tarde alquebrada,
Eu te reconheci.

Parei, olhando em volta,
Te dei a mão, dizendo:
"Vem comigo, menininha, 
Vou te levar daqui!
Mas antes, vamos àquela loja
Achar um pano pra te cobrir!"

E tu sorriste, tranquilamente,
Desvencilhando-se do meu abraço
E me dizendo, bem calmamente:
"Eu estou bem, está tudo bem,
Não sinto frio, nem fome ou sede,
Eu estou bem..."

E na inocência da tua nudez
Sem frio ou dor, ou falsa polidez,
Senti o cheiro dos teus cabelos,
Um cheiro doce, que há muito tempo,
Um dia, eu senti,
E depois, conforme os anos nos separavam,
Dele eu me esqueci.

Pedi perdão por não despedir-me,
Por não ter sido tão corajosa
Para encarar os milhões de erros
Que nós, tão tolos,
E tão cruéis, contra ti cometemos.

Deixei-te em paz: pois naquela noite,
Me visitaste, e o que ficou,
Foi o perdão daquele sorriso,
A tranquilidade daquele rosto,
E o som doce das tuas palavras:
"Eu estou bem, me deixe ir!"





Comentários

  1. Bom dia, Ana, quanta beleza e pureza na criança!
    Maravilhosa visita...
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, querida Ana!
    Muito linda a inocência de criança e dos que sabem encarar a polidez autêntica!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. Uma linda visita onde a inocência de uma criança, só nos faz bem.
    Um abraço. Élys.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos