quinta-feira, 13 de outubro de 2016

O GRITO – EM PRIMEIRA PESSOA UMA REFLEXÃO








O texto abaixo trata-se de uma reflexão baseada em meras observações – sobre mim mesma e sobre outras pessoas.







Por que eu grito?

Há vários motivos que podem fazer alguém gritar ao dirigir-se à outra pessoa. Cada um tem suas razões para gritar, mas estas razões tornam-se perdas logo após o grito: perda de bom senso, paciência, calma, autocontrole, justiça, caridade, compreensão, verdade, razão.

1- Eu grito porque me sinto frustrada. Alguém não está me escutando. Com certeza, quando chego a este ponto, já tentei várias outras formas de abordagem sem ter sucesso. Grito porque eu preciso que me ouçam, pois quem sabe, uma injustiça está sendo cometida contra mim, ou tenho algo muito importante a dizer que, se não for escutado, poderá trazer graves consequências para todos. Mesmo assim, quando eu grito por este motivo, perderei a razão e as pessoas virarão as costas para mim ainda mais rapidamente.

2- Eu grito porque eu fui ferido, magoado, machucado, e pretendo pagar tal pessoa na mesma moeda. Assim, acabo cometendo o mesmo erro que ela, me comportando da mesma forma destemperada, bestial e mal-educada.

3-Eu grito porque eu quero que não me ouçam. Isso mesmo! Eu grito porque existe algo dentro de mim que eu preciso disfarçar de alguma forma, e meu escândalo é a minha tática para que as outras pessoas não escutem meu segredo, e sim a minha mentira. 

4-Eu grito porque não tenho autoconfiança, e a voz elevada pode fazer com que as pessoas fiquem assustadas na minha presença, pensando no quanto eu sou temível, poderoso, superior. Na verdade, esse meu grito não passa de insegurança, medo, pavor. Grito para parecer forte e destemido. Grito porque não sei afirmar-me de outra forma. Sou um incompetente. 

5-Eu grito porque, de repente, as coisas tornaram-se pesadas demais, e meu peito está oprimido. Neste caso, meu grito não é dirigido a ninguém especificamente, mas é uma forma de desabafo, uma tentativa de aliviar o estresse, a opressão, o meu medo do futuro ou a minha incapacidade de lidar com todos os acontecimentos que estão em minha vida. 

6-Eu grito porque não quero escutar o que você tem a dizer, pois sua verdade me assusta. Ela me obriga a encarar meus próprios erros. Ela me coloca frente a frente comigo mesmo, e eu não consigo me olhar e me enxergar em suas palavras, pois sei que elas são verdadeiras. Grito para que você se cale. 

7- Eu grito de medo, porque preciso de ajuda. Meu grito é uma maneira de chamar a atenção dos outros sobre a minha pessoa, mas o efeito é totalmente contraproducente, pois muitas vezes, ao invés de obter a ajuda da qual necessito, acabo espantando quem poderia ajudar-me. 

E você? Por que grita?

Seja qual for o motivo, o grito é uma forma de agressão à outra pessoa. Na maioria das vezes, o grito perpetra uma grande injustiça, e demonstra, não o meu poder, mas a minha incompetência em dialogar.









7 comentários:

  1. Bom dia amiga Ana, muito bom seu post, eu nunca grito, acho que "meus amigos espirituais" afastam de mim tudo o que possa me fazer me irritar,rsrs, pois jamais grito mesmo, tive um empregado em minha micro empresa que trabalhou cinco anos comigo, quando ele saiu para fazer algo melhor para ele, me agradeceu e me disse"Ivone, não sei como você consegue viver sem nenhuma vez gritar com pessoas,rsrs",pois é, não assisto novelas, detesto os gritos!
    Meus pais nunca gritaram, fui criada em um ambiente totalmente só de falas, claro que fico "indignada" com muitas coisas que vejo, leio, mas gritar por isso?Nunca, sou ET,rsrs!
    Então não entendo os gritos, não grito nunca e não ouço os gritos "dozotros", se gritarem tapo imediatamente as minhas orelhas com as mãos!
    Abraços apertados linda amiga!

    ResponderExcluir
  2. "Seja qual for o motivo, o grito é uma forma de agressão à outra pessoa. Na maioria das vezes, o grito perpetra uma grande injustiça, e demonstra, não o meu poder, mas a minha incompetência em dialogar."

    Infelizmente, por vezes, ainda grito, apesar da idade e de já saber que de nada adianta.

    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Olá Ana
    Ainda assim mesmo perdendo a razão, tendo a gritar e que hábito terrível tenho.
    Bjs


    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, querida Ana!
    Grito calada em forma de lágrimas pelos motivos acima e outros...
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  5. Eu grito porque não suporto injustiças, respeito os idosos, principalmente os doentes, e as pessoas que deveriam respeitá-los não os fazem. Observo que quando se trata de pessoa da família todos se revezam em cuidados, mas sendo um pobre estranho, é bem diferente. Estou falando em tratamento hospitalar de pessoas doentes> isso é muito sério.

    ResponderExcluir
  6. Eu grito também porque não sei dialogar...quando estou certa, não sei usar as palavras certas para dizer o que quero. Isso é massante.

    ResponderExcluir
  7. Boa noite, Ana, você tocou num assunto muito delicado e complexo. Cheguei ao Brasil com 3 anos, sem escutar gritos, era tratada com muito amor.
    Aqui, conheci meu pai, que aos berros tratava a todos e ai de mim se levantasse os olhos ou respondesse, nunca me rebelei, mas aos 18 anos sai de casa, disposta a viver diferente...
    Nos 2 primeiros casamentos consegui levar, mas no 3º eu que não suportava gritos, comecei a berrar e, por mais que berrasse não consegui me livrar da sarna.
    Não acho uma boa gritar.
    Graças a Deus hoje não grito mais, consegui mandar meu filho embora, não aceitei o presente no dia das mães, sem elevar a voz.
    Me senti muito bem!
    Quando gritamos, os mais agredidos somos nós!
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...