terça-feira, 24 de maio de 2016

Palavras & Silêncios









Palavras embebidas em silêncios;
Descansam os ouvidos,
Apuram-se os sentidos.
Cobertas de névoa, elas dormem,
Brancas e frias,
Aguardam um novo caminho.

As corolas das flores
Perderam os perfumes.
As sementes das árvores
Cansaram-se de tanto cair
Em um solo infértil.
A chuva goteja dos telhados
Mas seca, antes do chão,
Em pleno desconsolo.

Nada mais vale a pena
De um sorriso,
De uma palavra,
De uma lágrima,
De um olhar.





7 comentários:

  1. Se me permites, destaco :

    As corolas das flores
    Perderam os perfumes.
    As sementes das árvores
    Cansaram-se de tanto cair
    Em um solo infértil.
    A chuva goteja dos telhados
    Mas seca, antes do chão,
    Em pleno desconsolo.


    Sempre que te posso ler, mais gosto do que escreves, Ana !

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, querida Ana!
    Há silêncios inúteis... estéreis e outros, não!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. As vezes é muito bom e faz bem silenciar, para nos guardar de um mal maior.
    Lindo texto poético, nos fazendo refletir
    Parabéns Ana pela sua sensibilidade nas linhas

    Beijos
    Rafael

    ResponderExcluir
  4. Muitas vezes o silencio fala desta angustia em forma de desilusão.
    A imagem é linda em definição.
    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá,Ana...bela reflexão, bela imagem escolhida...antes de se tornar palavra, tudo é experiência de vida silenciosa e nós precisamos aprender que mais vale um silêncio certo que uma palavra errada ou nada mais vale a pena, belos dias,beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

IDADE

UMA BRINCADEIRA - MAS UMA BRINCADEIRA SÉRIA! IDADE A idade  tocou-me no ombro,  Perguntando: “Quem é você?” ...