terça-feira, 24 de maio de 2016

Palavras & Silêncios









Palavras embebidas em silêncios;
Descansam os ouvidos,
Apuram-se os sentidos.
Cobertas de névoa, elas dormem,
Brancas e frias,
Aguardam um novo caminho.

As corolas das flores
Perderam os perfumes.
As sementes das árvores
Cansaram-se de tanto cair
Em um solo infértil.
A chuva goteja dos telhados
Mas seca, antes do chão,
Em pleno desconsolo.

Nada mais vale a pena
De um sorriso,
De uma palavra,
De uma lágrima,
De um olhar.





7 comentários:

  1. Se me permites, destaco :

    As corolas das flores
    Perderam os perfumes.
    As sementes das árvores
    Cansaram-se de tanto cair
    Em um solo infértil.
    A chuva goteja dos telhados
    Mas seca, antes do chão,
    Em pleno desconsolo.


    Sempre que te posso ler, mais gosto do que escreves, Ana !

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, querida Ana!
    Há silêncios inúteis... estéreis e outros, não!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. As vezes é muito bom e faz bem silenciar, para nos guardar de um mal maior.
    Lindo texto poético, nos fazendo refletir
    Parabéns Ana pela sua sensibilidade nas linhas

    Beijos
    Rafael

    ResponderExcluir
  4. Muitas vezes o silencio fala desta angustia em forma de desilusão.
    A imagem é linda em definição.
    Carinhoso abraço.

    ResponderExcluir
  5. Olá,Ana...bela reflexão, bela imagem escolhida...antes de se tornar palavra, tudo é experiência de vida silenciosa e nós precisamos aprender que mais vale um silêncio certo que uma palavra errada ou nada mais vale a pena, belos dias,beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...