terça-feira, 31 de maio de 2016

DIGITAIS DA ALMA - Resenha







DIGITAIS DA ALMA
AUTORA: LUCY MARA MANSANARIS
119 PÁGINAS
EDITORA SUCESSO – SP
 ANO 2015





“O poeta é como o príncipe das nuvens. As suas asas de gigante não o deixam caminhar.”
Charles Baudelaire



Publicar um livro – especialmente, um livro de poemas – em um país onde as pessoas em geral não gostam de ler (segundo o Ministério da Cultura, o número de livros per capita no país é de 1,7 ao ano), é uma grande vitória. É preciso investimento próprio, muitas vezes, e Lucy Mara teve esta coragem e este empenho.

Nestes tempos truculentos em que vivemos, falar de poesia é como encontrar um caminho para algo mais suave. As energias estão pesadas, e as pessoas, descrentes e sem esperanças. É preciso procurar um pouco de delicadeza e sensibilidade no viver, e acrescentar pitadas de beleza no dia a dia. Através das artes, como a poesia, é possível encontrar um caminho que nos leve diretamente ao nosso centro, ao nosso tão negligenciado – e essencial – silêncio.

Ao ler um poema, abrimos uma janela para dentro da alma do autor. Alguns poemas nos falam bem perto do coração, e nos identificamos com eles. Assim são os poemas do livro de Lucy Mara Mansanaris, Digitais da Alma. Ela nos traz esta delicadeza, usando as digitais de sua alma para tocar o coração do leitor.

Gosto de ler um livro de poemas da seguinte forma: aleatoriamente. Simplesmente abro uma página ao acaso, e deixo que a poesia me fale. Como neste momento; abro o livro e leio:




Do Clarear

“É quando busco alguma paz
que te encontro.

E quando penso que não dá mais
reinventas-te, dentro dessa tua doce rotina
de sempre me querer bem.”

E até mesmo nos momentos de tristeza, a autora consegue transformar tudo na mais delicada tessitura de palavras:

Doente

"Ai... Como me dói a vida!
Doem-me as feridas do viver
dói-me profundamente ser!

Aquele plano de felicidade
mais parece mágoa antiga
Deus, quanta morte há na vida?"


Digitais da Alma é um livro para ler e guardar, e reler várias vezes, sempre que estivermos precisando resgatar momentos de doçura, leveza e introspecção. Como escreveu Clarice Lispector, “A palavra é meu domínio sobre o mundo.” A poesia torna-se mais que necessária nos dias de hoje, em que a maioria das palavras ditas são de rancor.

Lucy Mara mantém um blog – http://digitaisdaalma.blogspot.com.br/








3 comentários:

  1. Gosto muito do que ela escreve e a poesia, creio sai do coração de quem escreve para a alma de quem lê.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Anoitecer Suavemente...

Anoitecer devagarinho, Suavemente, Como uma teia de aranha que voa Pelo ar, Brilhando sem se notar... Anoitecer sem p...