segunda-feira, 9 de maio de 2016

Padrões









Os padrões e os desenhos
Nas asas da borboleta
Nada dizem sobre o tempo
Que passou em um casulo.

As cores são pinceladas
Da natureza, ao acaso,
São apenas coleções
De padrões aleatórios.

Ela mesma não se lembra
Dos seus tempos de lagarta,
Quando se arrastava, fria,
Sobre as folhas e os caules...

E, ao olhar a sarjeta
Que às vezes, sobrevoa,
Pensa que o seu passado
Foi ser sempre borboleta.




11 comentários:

  1. Volto logo para comentar, Ana !

    O beijo fica agora.

    ResponderExcluir
  2. Uma coisa que não gosto muito: "Padrões" ... Prefiro a metamorfose das borboletas ...

    Beijão Ana!

    ps: ai ai! vontade de chupar tangerinas ... rs

    ResponderExcluir
  3. Creio que a borboleta está certa, pra que lembrar momentos que não foram tão bons?...
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  4. Ainda bem que não lembra, Ana, senão perderia o encanto de ser borboleta!
    Feliz semana, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  5. Tarde, mas cá estou, Ana !
    Lindo o teu poema, puxa !

    Destaco o último ( sei lá a razão, pois gostei de tudo ).

    E, ao olhar a sarjeta
    Que às vezes, sobrevoa,
    Pensa que o seu passado
    Foi ser sempre borboleta.

    O beijo para ti, querida amiga.

    ResponderExcluir
  6. Lindas as cores das asas da borboleta da imagem.
    O belo poema lembrou-me a teoria espírita segundo a qual reencarnamos com total esquecimento das vidas passadas. Se isto é bom para nós, também deve ser para as borboletas, pois é sempre bom não se lembrar de fases menos belas.
    Por sua vez, a última estrofe pode dizer muito mais, se nela nos detivermos para uma reflexão analógica com atitudes do ser humano diante da vida, quando chega a desprezar seu passado à vista de um presente mais bem sucedido.

    Obrigada pelo seu carinho na minha postagem de pausa. Voltarei quando me sentir pronta para estar interagindo com os amigos com maior disponibilidade.

    Felizes dias.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Como há encantamento naquele casulo silencioso!
    E a magia das cores. Acho que para muitas coisas, explicações demais roubam o encanto!
    Adorei o poema. Beijo!

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, Ana.
    Por ler este poema tão lindo e metafórico, concluo o que sei,és grandiosa poeta.
    Indiquei teu blog para receber o Prêmio Dardos.
    A postagem está no Carinhos Em Selos.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite, Ana.
    Por ler este poema tão lindo e metafórico, concluo o que sei,és grandiosa poeta.
    Indiquei teu blog para receber o Prêmio Dardos.
    A postagem está no Carinhos Em Selos.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  10. Lindo olhar para a natureza para entrar numa reflexão de nossas vidas. Somos muito da natureza e poucos conseguem esta sensibilidade linda Ana.
    Muito bom Ana voce sempre lá na frente.
    Bju

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Exageros

    Assisti a um vídeo na internet no qual uma drag queen montada dava palestras em uma escola para crianças que, aparentemente, t...