terça-feira, 5 de maio de 2015

ACEITAÇÃO

Ninguém pode trazer o topo da montanha para si através de marretadas. É preciso conquistá-lo passo a passo.


O que é aceitação? Ato de aceitar. Acolhimento. Aprovação. Aplauso. Consideração. Pelo menos, estes são os sinônimos que encontrei em um dicionário. Mas hoje em dia, existem outras definições, que não passam pelo aplauso, aprovação ou acolhimento. Hoje, aceitação virou sinônimo de tolerância. Quem tolera, não aceita de verdade: apenas engole algo que desce pela garganta, machucando, arranhando, e que depois fica pesando no estômago até que, cedo ou tarde, é vomitado em forma de preconceito, fúria e indignação. 

Para que haja aceitação, é preciso haver antes a compreensão absoluta, e nem mesmo a compreensão fará, necessariamente, que alguém aceite alguma coisa que vá contra os seus princípios.  Neste caso, que pelo menos surja a semente do respeito, e que ela cresça e se estenda sobre a fúria, o preconceito e a violência. Saber respeitar aquilo com o qual não concordamos é um exercício diário de abnegação e altruísmo pelo direito básico que o outro tem de SER. 

Se eu tento me fazer aceita à marra, tudo o que vou conseguir é gerar ainda mais revolta, preconceito e violência. Eu acredito na educação. As escolas deveriam ensinar as pessoas a respeitarem a maneira de ser que é diferente da própria. Parece simples, mas não é, pois as ideias atávicas encrustadas nas mentes das pessoas não saem assim, de uma lavada só... pode demorar muito tempo para que tudo comece realmente a mudar. Enquanto isso, que seja cultivado o respeito por aquilo que eu ainda não sou capaz de aceitar, compreender ou aplaudir. 

O preconceito é como uma árvore de sementes poderosas: se alguém a cortar com violência, ela despejará suas sementes pelo solo, e mais cedo ou mais tarde, elas voltarão a brotar. É necessário que se plante, próximas a elas, outras árvores que cresçam mais que elas, cujas sombras impeçam que a luz do sol brilhe sobre suas copas, fazendo com que elas sequem e morram. Mas estas árvores levam anos para crescer... pode demorar muito tempo. Mas eu não consigo ver outra solução. 

Eu não acredito que uma ideia que seja introduzida através da violência (e existem muitas formas de violência que passam longe da violência física) brotará saudável e terá raízes fortes. Daqui do meu canto, onde apenas observo as coisas que acontecem, eu vejo um mundo cada vez mais violento, pois as pessoas parecem estar querendo derrubar à marretadas muros altos e fortes que foram construídos através de anos e anos de ideias equivocadas; isso faz com que aqueles que se encontram por trás desses muros sintam-se ameaçados e invadidos. Consequentemente, eles correm e começam a construir barricadas emergenciais para tentarem se proteger - e aos seus princípios - daquilo que consideram como uma invasão. E isso só gera mais intolerância, medo e violência. 

E é preciso ter consciência de que, mesmo que eu tente ser a melhor pessoa do mundo, sempre haverá pessoas que não gostarão de mim, não me aceitarão, não me acolherão. Se eu colocar a minha felicidade ou satisfação pessoal nas mãos dessas pessoas, acreditando que, para que eu seja feliz, elas precisam me aceitar ou me respeitar, eu jamais darei um passo adiante na minha vida. É necessário compreender que aquele que não me aceita e não gosta do meu modo de ser também está no seu direito, e respeitá-lo, assim como eu quero ser respeitado.

Um dia, as pessoas hão de compreender que toda forma de preconceito é um atraso. Mas eu não sei quando isso vai acontecer.


10 comentários:

  1. Excelente texto Ana. Aceitar não é uma atitude externa, ela precisa ser introjetada para ser real.
    Bjux

    ResponderExcluir
  2. Os valores hj estão meio que distorcidos né?
    O mundo evolui mas anda perdendo os valores e sua identidade.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Texto repleto de compreensão das diferenças, isso é necessário para se poder viver pelo menos em paz, pois é amiga Ana, sempre digo em meus textos que viver é algo que nos é dado e portanto viver é um dom!
    O dom da vida que nos leva ao alto e à frente seguindo nossas intuições, aceitação é mesmo isso o que dizes aqui, pois tolerar é o mesmo que não aceitar, mas "fazer o quê", eu nunca deixo de tentar entender, pois depois que se entende é que fica tudo melhor e fácil de aceitar!
    Amei ler aqui, seus textos dizem muito, pois hoje em dia é preciso se comunicar ainda mais, se não pela fala propriamente dita, pelo menos nas escritas, embora muitos não cultivam mais o hábito da leitura, que pena que é assim!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  4. Não me preocupo mais com a tal aceitação ... na vida somos e isto basta ... o q importa é nossa consciência e nossa paz com ela ... o resto q se dane ... simples assim.

    ResponderExcluir
  5. Infelizmente, não acredito que seja no "nosso tempo", Ana, que se adquira essa compreensão, de uma forma global. Para além de ser, também, uma questão cultural e educacional, é como o descreves: só existira quando for um acto voluntário e genuinamente sentido.
    Gosto do texto/reflexão.

    ResponderExcluir
  6. Olá Ana,

    Excelente colocação, que eu subscrevo integralmente. De fato, pensando bem, aceitação virou mesmo, em alguns casos, sinônimo de tolerância. Não aceitamos, mas toleramos, em nome da harmonia. Tolerar é mesmo como engolir, é 'deixar passar', é 'contemporizar' ou 'suportar com indulgência'. Sem dúvida, um exercício difícil, mas indispensável para se viver bem em sociedade. Respeito é fundamental, além de caridoso. Ninguém conseguirá impor suas ideias ou conceitos. Eles são oriundos da formação e educação de cada um. Somente o tempo e a experiência de vida de cada um poderá levá-lo a raciocinar acerca de suas posturas e conceitos para modificá-los espontaneamente ou não. Por tudo isso, quem coloca sua felicidade nas mãos de outrem sempre sairá machucado. A derrubada de qualquer tipo de preconceito dependerá do grau de evolução de cada ser.

    Feliz semana.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. A veces aceptar también es tolerar... pero tolerar puede causar daño.
    Un tema que invita a reflexionar, tus palabras son muy acertadas Ana, siempre es un placer pasar a leerte.
    Feliz día, cariños.


    http://bajolalupadegiglio.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Ana, gostaria de crer que esse dia ainda vai chegar. Infelizmente, o que temos percebido é o crescimento da intolerância. Pais passam para filhos suas convicções o que dificulta, inclusive, a educação deles para um caminho diferente. Não sou contra a aceitação, tida como ato de tolerância, porque vivemos em sociedade e as pessoas são muito diferentes. Em nome da harmonia, pode-se fazê-lo, desde que ninguém esteja sendo prejudicado por isso. Sua texto é muito oportuno. Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Ana muito boa sua reflexão e analisando com os olhos da historia, este dia não mais chegará. Não há espaço para tal fenômeno acontecer.
    Esmagam qualquer ideia neste sentido, nesta direção, pois não há vontade que faça esta roda girar no sentido da aceitação pura e nua.
    Muito boa sua postagem à luz da razão.

    Abraços.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...