sexta-feira, 3 de março de 2017

Solidão






Pôr-do-sol. Solidão.
O homem sentado na pedra,
Olhando o mundo,
A multidão cega.

Chuva cai. Solidão.
Palavra tatuada na pele,
Escrita na pedra,
Presa na garganta,
Não há redenção. Solidão.

Anoitece. Solidão.
O homem pregado na Cruz,
A luz se apagando
No fundo, no mundo,
Um lume assume o comando.

O povo errando,
De mãos dadas,
Ilusão. Solidão.





5 comentários:

  1. Tão triste o poema, Ana...
    Até o coração me ficou a doer !

    Um beijo amigo.

    ResponderExcluir
  2. A solidão acorrenta a alma e dilacera o coração.
    Um poema profundo, sentido e belo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Amiga, Ana Bailune !
    Que lindos versos ditados por um momento
    muito especial, certamente.
    Ah, esse coração...
    Grato, por me permitires ve-los.
    Um carinhoso abraço e um ótimo final de semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  4. O carnaval é simplesmente isto. Uma ilusão temporária de felicidade para quem não sabe encontrá-la no seu dia a dia e na simplicidade da vida.
    Passada a ilusão redescobre-se que a solidão ali permaneceu à sua espera ...

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. A solidão é mesmo tristonha e dolorosa...
    A foto combinou bem com os sentimentos expressos no texto...
    Um abraço...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...