Solidão






Pôr-do-sol. Solidão.
O homem sentado na pedra,
Olhando o mundo,
A multidão cega.

Chuva cai. Solidão.
Palavra tatuada na pele,
Escrita na pedra,
Presa na garganta,
Não há redenção. Solidão.

Anoitece. Solidão.
O homem pregado na Cruz,
A luz se apagando
No fundo, no mundo,
Um lume assume o comando.

O povo errando,
De mãos dadas,
Ilusão. Solidão.





Comentários

  1. Tão triste o poema, Ana...
    Até o coração me ficou a doer !

    Um beijo amigo.

    ResponderExcluir
  2. A solidão acorrenta a alma e dilacera o coração.
    Um poema profundo, sentido e belo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  3. Nossa, Amiga, Ana Bailune !
    Que lindos versos ditados por um momento
    muito especial, certamente.
    Ah, esse coração...
    Grato, por me permitires ve-los.
    Um carinhoso abraço e um ótimo final de semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  4. O carnaval é simplesmente isto. Uma ilusão temporária de felicidade para quem não sabe encontrá-la no seu dia a dia e na simplicidade da vida.
    Passada a ilusão redescobre-se que a solidão ali permaneceu à sua espera ...

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. A solidão é mesmo tristonha e dolorosa...
    A foto combinou bem com os sentimentos expressos no texto...
    Um abraço...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

Sentidos

VIDA