segunda-feira, 6 de março de 2017

Por que?





A pior pergunta
Que vem com a noite,
Caída sobre a moita,
Do céu, vindo em gotas
Descansando, indiferente,
À beira da calçada
Observando os passos
Dormentes, apressados
Que dela não se ocupam.

A pergunta mais tola,
A arrasadora,
Que sai pelas chaminés
Das fábricas imensas,
É servida nas marmitas
Sem pensar, engolida
Assistida nos filmes
-Retratos da vida.

A pergunta inclemente,
Nos ônibus e trens,
Nos supermercados,
Nos blogs, nos sites,
E nas homenagens,
Escrita em listagens,
A mais evitada.

Pergunta impertinente,
Rói dentro da gente,
A desafiadora,
Que não tem resposta,
A não ser, mais uma
Pergunta encarnada
Que, desencarnada,
Não quer dizer nada.





3 comentários:

  1. Ana Bailune
    Muitas vezes a interrogação não deixará de ser arrazadora, "porque", por vezes é mais acusação do que pergunta. Considero o poema tão bem esquematizado, como pertinente.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Temos as perguntas e as perguntas. As perguntas para que possamos nos esclarecer de algo é uma coisa oportuna e necessária. Mas, a maioria delas hoje, já vêm carregadas de jugos e de verdades prontas postas apenas para confronto.

    ResponderExcluir
  3. Ana que poema incrível, de porque em porque você debulha verdades, eu amei, bjos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...