quarta-feira, 22 de junho de 2016

Alma









Toda alma, quando voa,
Não precisa olhar para baixo,
Nem de galhos para pousar.

Se precisa, é por apego,
Ou até pior – por medo
De ser alma, e de voar.






12 comentários:

  1. Perfeito, Ana!
    Imagens lindas!
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, querida Ana!
    Belo!
    Cumprir nossa missão é divino!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  3. A ansiedade se torna cada vez maior, quanto mais próximo o momento do voo. Ah, coração apertado...

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo,
    quando aprendemos o voo,
    ficamos libertos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Lindo poetar, amei ler e sentir!
    Abraços bem apertados linda amiga Ana!

    ResponderExcluir
  6. Uau!
    Belíssimo! Parabéns!!!
    Esse pedacinho de jardim lembrou um pedacinho lá da Caverna Real.

    Abração esmagador e feliz dia.

    ResponderExcluir
  7. Dizem que quando vemos uma borboleta, é um sinal de transformação pessoal. Linda borboleta e esmalte.

    ResponderExcluir
  8. Bonitos e reflexivos versos... A alma livre se expressa e voa espontaneamente vida afora... Às vezes, uma pousadinha como a borboleta na foto...
    Bom sábado, Ana... Abç

    ResponderExcluir
  9. Uma imagem linda para ilustrar um poema de rara sensibilidade na leveza da alma, no pouso da borboleta.
    Lindo Ana.
    Abraços.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...