segunda-feira, 7 de março de 2016

RESSUREIÇÃO








Quisera poder salvar os deuses da minha infância,
Que hoje descansam
De olhos fechados,
Semblantes cobertos de bruma,
As mãos entrelaçadas sobre o peito.


Quisera poder ouvir novamente seus sorrisos,
Abrir os olhos na escuridão
E saber que eles estão lá,
Velando por mim.

Mas depois que a inocência morre,
Nada mais nos socorre.

Quisera poder escutar suas vozes miúdas
 Em meus ouvidos
Fazendo-me crer que tudo vai ficar bem,
Não importa o que aconteça,
E que após a escuridão,
A manhã mais clara estará a minha espera...

Mas aprendi a ver além das paisagens e olhares.

Quisera poder novamente encontrá-los nos vitrais coloridos
Das igrejas e catedrais, 
No silêncio quente da chama de uma vela,
Passeando entre as palavras das preces sussurradas.

Quisera que houvesse um caminho,
Um jeito de ressuscitar meus deuses moribundos
Que tem fé em mim, e que me esperam.






7 comentários:

  1. Que texto lindo!
    Eu me vi, lembranças de criança, onde nossos deuses eram nossos país. Depois nossas bandas de rock favoritas, depois nossos escritores favoritos.
    Depois pensei em gente que já morreu e que eu gostava muito e também sonhos que já morreram que não dá mais pra realizar.
    Belo texto minha amiga.

    Tenha uma semana iluminada.

    ResponderExcluir
  2. Continuar crendo num reencontro com nossos Deuses nos dá muita força para caminhar. Ser ou não ser verdade, não importa, creio que a esperança nunca deve ser perdida.
    Tenha uma linda semana.
    Élys.

    ResponderExcluir
  3. Pena que não são eternos fisicamente, mas nas nossas mentes e corações eternizados.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. Ana Bailune
    Raciocinar sobre deuses pode ocorrer, passada a infância. Porém uma coisa é certa: é mister manter a fé para sempre.
    Poema bem conjugado, para um pensador.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Belíssimo poema, quisera eu saber escrever poemas assim, Ana Bailune.

    ResponderExcluir
  6. Quando conseguimos ver além das paisagens a caminhada fica mais leve, apesar dos percalços...

    Feliz dia das mulheres...

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...