terça-feira, 1 de março de 2016

A ÁRVORE CAÍDA










As folhas arrastadas pelo vento
Crepitavam no asfalto quente.
Na beira da estrada, o tronco caído.
Galhos murchando de tristeza
Querendo ser novamente sombra, abrigo de aves,
Mãe de muitos frutos,
Origem, flauta de brisa, descanso...

Passei sobre seu manso morrer,
Silencioso e lento,
E o que mais me feriu, foi o seu silêncio,
Que não se queixava, e a ninguém culpava!

Doeu-me, porém, relembrar, e calar, e saber
Que cada um de nós
Ergueu o machado fatal e amputou um galho,
Dia após dia, palavra por palavra,
De olhos abertos, de olhos fechados,
Até a queda fatal, o último talho...





5 comentários:

  1. Destruímos o q é natural e depois reclamamos ... colhemos o q plantamos ...

    ResponderExcluir
  2. Emociono-me sua poesia ... A natureza caída, destruída...
    Um abraço. Élys.

    ResponderExcluir
  3. Na poesia, sempre brilhante, uma verdade inquestionável, Ana. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Bela poesia. Com uma pitada de tristeza e outra de advertência.

    ResponderExcluir
  5. Bonito Ana, buscou lindo e fundo na fenda que seiva escorria.
    Abraços com carinho.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...