quinta-feira, 30 de abril de 2015

O QUE TEM HOJE NA TV?




Assisto TV todos os dias. Há vários programas que eu gosto, entre filmes, musicais e documentários. Quando eu era criança, havia apenas três canais em nossa casa: a Rede Tupi, a Globo e a TVE. Minha mãe costumava ligar a TVE para que eu assistisse de manhã, antes da escola, e através da apresentadora Bibi Ferreira, aprendi muitas coisas, como combinar sílabas e ler algumas palavras. 

Quando minha irmã se casou, eu gostava de ir até a casa dela para assistir TV quando podia; imaginem só, ela tinha treze canais! Para nós, eram muitos! Hoje em dia podemos ter mais de duzentos canais se quisermos e pudermos pagar por eles. Acho impressionante a velocidade na qual a tecnologia e a televisão cresceram em tão pouco tempo.

Muitas pessoas reclamam da programação atual; concordo que muitos programas não tem qualidade, segundo meu próprio gosto, e por isso mesmo, não os assisto; porém, existem muitas pessoas que os apreciam, ou então eles não estariam no ar.

Existe uma grande polêmica hoje em dia sobre o que é ético ou não na TV, e um certo exagero quanto ao poder que a televisão exerce sobre as pessoas, até mesmo a crença absurda de que, ao assistir casais homossexuais pela TV, as crianças e adolescentes tornar-se-hão homossexuais também! Por outro lado, a exibição forçada, quase compulsiva de casais homossexuais nos canais de TV não ajuda em nada a vencer preconceitos, pois levanta polêmicas entre grupos, dividindo a opinião das pessoas. Se eu fosse homossexual, acho que a última coisa com a qual eu me preocuparia, seria se alguém me aceita ou não, desde que me respeitassem. De nada adianta querer empurrar à força pela garganta dos outros os nossos conceitos, porque o que sempre acontece no final, é que cada um acreditará apenas naquilo que eles mesmos querem.

O dever de educar as crianças e mostrar-lhes a diferença entre certo e errado é dos pais, e não deveria jamais ser atribuído à televisão. Quando as crianças crescem em lares equilibrados, onde existe diálogo e liberdade para fazerem as perguntas que quiserem e obterem respostas adequadas, a televisão não terá nenhum poder. Proibi-las de assistir aos programas não as educará; pelo contrário, apenas as deixará mais curiosas, e elas poderão assistir em casa de amigos, bares, restaurantes, vitrines, internet ou em qualquer outro lugar onde haja um aparelho de TV disponível.

A Rede Globo de TV está completando cinquenta anos de existência, e tenho visto nas redes sociais uma campanha difamatória e desnecessária contra esta emissora, como se ela fosse responsável por tudo de errado que acontece no país e nos lares dos cidadãos brasileiros, quando ela não tem este poder. Não aprecio toda a programação que eles exibem, mas também não acho que devam exibir apenas aquilo que eu acho bom, pois sendo uma empresa, eles precisam de clientes / espectadores. Se existe alguma culpa pela má qualidade de alguns programas, ela está nos espectadores, e não nas emissoras de TV, pois se as pessoas reclamam e continuam assistindo e dando-lhes audiência, nada mudará. 

O Facebook, por exemplo, está salpicado de textos de pessoas reclamando do mau exemplo das novelas. O incrível, é que elas sabem os nomes de todos os personagens e também tudo o que está acontecendo na novela. Se eu perco algum capítulo, é possível ficar sabendo do que aconteceu apenas lendo estes posts. Sim, eu assisto às novelas! E não me idiotizei e nem fiquei mais inteligente por isso. Não passei a trair o marido, não "virei" homossexual, não roubei e não matei. E assisto novelas desde que tinha quatro anos de idade. Por que eu assisto? Porque acho legal. Porque gosto.



NEVE





Teu coração
Nevava sobre as palavras,
Tecias estradas de cetim branco
Sobre as lavas.

Teus olhos choravam riachos
Cristalinos e frescos,
Que espargiam sentidos
Sobre as margens abandonadas.

Ninguém ouvia teu lamento,
A não ser a lua branca,
A não ser  
A madrugada fria...

Na outra margem 
Alguém olhava,
Mas não via,
Não respondia,
Ficava parado 
Sem ver o barco 
Que aos poucos, afundava...

A tua angústia congelava,
A saudade era como uma trava,
De travoso gosto
Entre os lábios...
-Nada trazia,
Só levava.

Teu rosto de cera
Derretia,
Teu peito de fogo
Congelava.

E a neve caía
Em flocos de palavras...



segunda-feira, 27 de abril de 2015

MINDFULNESS - O LIVRO DE COLORIR



122175301_1GG.jpg



Mindfulness - O Livro de Colorir - Terapia antiestresse para pessoas ocupadas
Emma - Farrarons
Editora Best Seller - 2015


Você se lembra dos seus cadernos de desenho da infância? Ou consegue sentir o cheiro do álcool do mimeógrafo, que tinham aquelas folhas distribuídas pela professora no final da aula, com desenhos para colorir? Lembra-se das suas caixas de lápis de cor, canetinhas hidrocor e das suas aquarelas? Sente falta do prazer que tinha ao pintar e desenhar?



Você pode reviver tudo - ou quase tudo - através desta interessante publicação. Enquanto pintamos os desenhos, deixamos que a mente se torne leve e vague sem destino. Podemos pintar enquanto estamos aguardando o atendimento médico, ou ao falarmos ao telefone; podemos pintar nos intervalos das aulas ou do trabalho, ou antes de dormir. Podemos deixar para terminar mais tarde, se não tivermos mais tempo de continuar pintando. Podemos escolher outro desenho aleatoriamente, a qualquer momento, e começar uma nova pintura. O único objetivo deste livro, é não ter objetivos. Ele nos tira do ritmo alucinante da vida diária, e nos convida a desacelerar...


Há muitos outros livros seguindo o mesmo estilo, como os de Joanna Basford. De qualquer forma, não importa qual deles você escolha. Pegue aquele cujos desenhos o atraiam mais. Escolhi um pequeno, de nível mais fácil, para começar. Há alguns sobre mandalas, outros maravilhosos com intrincados desenhos de castelos e jardins.

Parece que as pessoas finalmente descobriram o quanto é importante dedicar algum tempo a, simplesmente, não fazer nada muito importante, e ao mesmo tempo, exercitar o lado lúdico, que anda tão negligenciado. Acho que todo mundo precisa brincar mais! A criatividade e a paz de espírito agradecem. Sendo assim, pegue suas canetinhas, lápis de cor, aquarelas e tintas, escolha um desenho e divirta-se!

Bem, e quem sabe, as editoras tenham conseguido uma maneira de continuar lucrando através dos livros impressos; afinal, ninguém conseguiria produzir um livro destes em formato e-book! 

sexta-feira, 24 de abril de 2015

SENTIDO OCULTO






Há muitas coisas escondidas sob as vigas,
Sob os sorrisos, sob as lápides e as vidas,
Há sempre algo que ninguém nunca notou,
Nunca sentiu, ouviu, ou viu, ou riu, chorou.

Há mais que apenas os sentidos que nos tocam,
Ou que tocamos, e dizemos, e amamos,
Há mais debaixo do por cima que mostramos
E que tentamos esconder - ah, triste sina!

Há mil paisagens sob os riscos das pupilas
Que cegos, nunca vislumbramos, nunca vemos...
Há sob o tato dos meus dedos, superfícies
Muito a dizer por entre as coisas que eu não disse...

E sob a vida, sob a morte, sob tudo,
Há um sentido mais profundo que o oculto
O qual nós nunca tocaremos nessa vida...
-Quem sabe noutra, se ela for mais dolorida?




DURA







Às vezes
Preciso ser dura
A fim de guardar
Minha ternura.

Às vezes
(E frequentemente)
A cicuta se torna
A única cura.

Às vezes
O favo é amargo,
O mel é bravo,
A alma, escura.

Às vezes
O fel da palavra
Serve de trava
À pior loucura.





segunda-feira, 20 de abril de 2015

Imenso Mar




Somos gotas esquecidas
Jogadas n'alguma praia
Por uma onda distraída.

Tentamos permanecer,
Queremos sempre brilhar
E jamais evaporar...

Sobre as pedras, nós ficamos
Marcamos, com sal, as rochas
-Onda leva ao Oceano...

E a resposta que buscamos
É voltarmos a cair
No imenso mar, gotejando.




quarta-feira, 15 de abril de 2015

CIDADÃO ACIMA DE QUALQUER SUSPEITA




Após passar a tarde em um motel com sua amante, enquanto os dois ainda estão na cama, ele liga a TV para relaxar. Assiste aos desmandos do governo, demostrando a sua desaprovação silenciosamente. De repente, não podendo mais aguentar tanta corrupção, ele explode:

-Este governo traiu o País! Prostituiu a moral e os bons costumes! Não se pode mais confiar em ninguém hoje em dia. Eu votei nela! Achei que poderia acreditar naquelas promessas, pois confiei de verdade nelas. Praticamente coloquei minha vida e a vida dos meus filhos em suas mãos...E ela traiu a nação, me traiu!

A amante, após dar uma baforada no cigarro, comenta:

-Prostituta!

Antes de sair, ele entrega a ela algumas notas. Dinheiro que deveria ter sido poupado para levar as crianças e a esposa em uma viagem que ele vinha prometendo há anos. Após deixar a amante em uma esquina, para no posto de gasolina para reabastecer. Ao conferir o troco, percebe que o frentista deu-lhe dez reais a mais por engano. Enfia tudo na carteira, pensando: "Hoje é meu dia de sorte!" Coloca um CD pirata para relaxar no engarrafamento, enquanto pensa nos direitos dos trabalhadores que estão sendo violados.

Uma blitz de trânsito o faz parar, e pede para ver os documentos. Ele pensa na carteira de habilitação vencida e nas muitas multas por excesso de velocidade e estacionamento proibido que não pagou. Entrega a carteira de motorista, mas antes tem o cuidado de colocar uma nota de cinquenta no meio. O policial abre a carteira e vê a nota:

-Está tentando me subornar, senhor? Acha mesmo que pode?

Desconcertado, ele balbucia:

-N-não senhor! Eu não tinha visto a nota aí... eu...

O policial debruça na janela do carro, olhando-o por cima dos óculos:

-Trezentos e eu deixo o senhor ir.

Ele encara o policial, e suando frio, puxa duzentos e cinquenta reais da carteira, entregando tudo ao policial. Dá partida no carro, e pelo retrovisor, vê que o policial acena para ele. Morrendo de raiva, chega ao escritório. Em sua mesa, uma pilha de licitações. Ele sequer olha para elas, pois já sabe qual empresa será escolhida. Pensa na gorda comissão que receberá, e no motel de luxo que poderá pagar para sua amante na próxima vez.

À noite, chega em casa e encontra a esposa às voltas com a preparação do jantar e as crianças, ainda vestindo as roupas que usou no trabalho, enquanto varre a casa recolhendo os brinquedos espalhados pela sala. Ele a abraça, e olhando nos olhos dela, declara-se:

-Senti saudades, amor. Pensei em você o dia todo.

Depois, pega uma cerveja na geladeira e senta-se em frente a TV, mal falando com as crianças. Não move um dedo para ajudar a esposa. Após o jantar, liga para o seu melhor amigo:

-Aquela partidinha de pôquer ainda está de pé? Amanhã é sábado e eu não preciso acordar cedo. Vamos?

O amigo concorda. Ele bate a porta atrás de si, dizendo a esposa que precisa voltar ao escritório pois ocorreu um imprevisto. Ela nem tem tempo de protestar. Ele chega à casa de jogos clandestina e perde o salário de um mês inteiro, mas nem se importa, pois lembra-se da "comissão" que receberá na semana seguinte e também na aposentadoria ilícita que seu amigo político está preparando para ele. 

À mesa de jogo, a conversa gira em torno da política e da corrupção. Alguém precisa fazer alguma coisa! Um dos amigos menciona a passeata de protesto na manhã de domingo. Ele promete que vai estar lá.




segunda-feira, 13 de abril de 2015

Pedido




Li o título de uma postagem em um blog que perguntava: "Você tem algum pedido a fazer?" Pensei: tenho sim. Achava que não, mas tenho.

Existe uma canção antiga na qual alguém pergunta: "Se Deus tivesse um nome, qual seria, e você O chamaria por Seu nome se estivesse frente a frente com Ele em toda a Sua Glória? O que você perguntaria se tivesse apenas uma pergunta?" 

Não sei se faria uma pergunta, pois os espaços das minhas perguntas são pequenos demais para captar e conter a essência das grandes respostas; se as formulasse, continuaria com minhas perguntas e mais a sensação de estupidez completa por não ter entendido as respostas. Prefiro ficar somente com as minhas perguntas. Quem sabe um dia elas não respondam a si mesmas?

Acho que eu faria um pedido: não: faria dois. Ou um que pudesse virar outra coisa. Primeiro eu pediria a Ele que fosse paciente com os homens. Ou então, se Ele não pudesse, pediria que aniquilasse com a gente de uma vez, de maneira misericordiosa, ou seja, rápida e indolor. Ou talvez eu tivesse piedade Dele e  não pedisse nada. Quem sabe, eu apenas me sentaria ao Seu lado em silêncio e enxugaria suas Divinas lágrimas?


domingo, 12 de abril de 2015

O ROSTO SOB A FACE







O rosto não mudou; mudou o espelho,
Quando eu nasci, as rugas já estavam lá.
Dormia sob a face de bebê, o velho,
E sob o encantamento da primeira vez
Uma alma já antiga, em desassossego.

Não sei de onde eu vim, não sei quem me fez,
Mas sei, sou ferramenta em algum emprego;
Meu ferro foi malhado por martelo prisco,
Alguém me espeta pregos para ver se eu sinto
E o disco da memória se esqueceu de mim.

Mas sou tal substância; subsisto assim,
Emerjo sempre limpa das imensas fossas.
Minha alma verdadeira se revela aos poucos
Sob as camadas finas que se tornam grossas
E as marcas dos chicotes sobre as minhas costas.


quarta-feira, 8 de abril de 2015

QUERIA






Queria poder tecer a beleza
Com agulhas de tricô mágicas,
Que desafiassem minha falta de jeito,
Minha falta de dom,
Meu tom pretensioso
(Às vezes jocoso)
De dizer o que digo.

Queria enxergar além,
Para bem dentro do meu umbigo,
Para bem fora das minhas órbitas
Longe e perto de mim,
Pegar no ar a beleza...

-Tristeza!
Pois sei que minhas palavras
Não lavram os campos das almas...
No máximo, semeiam ideias
Que morrem de impacto
Às falésias de minhas falácias.

No final, às traças
O que melhor de mim houver,
Memórias e essências,
Restos da tecitura
De uma obscura mulher.


terça-feira, 7 de abril de 2015

A Culpa Nunca é Minha




Observo muito algumas coisas que vem acontecendo em redes sociais. Uma delas, é a mania que algumas pessoas tem  de sempre tentar encontrar um bode expiatório para as mazelas do mundo. A culpa nunca é nossa, é da Globo, é dos políticos, é dos Estados Unidos. Alguém tem que dar um jeito. Mas não nós. Não somos pagos para isso. Eles que são, que resolvam tudo, e que assumam todas as culpas.

Vejo também muita intolerância. As pessoas tem publicado ou compartilhado coisas horríveis sem nem sequer tomarem cinco minutinhos do seu tempo a fim de verificar a  veracidade do que partilham; dia desses vejo um post afirmando, como se fosse um artigo retirado de um site de notícias, que um deputado famoso estava tentado aprovar não apenas o aborto, mas a licença maternidade para as mulheres  praticantes. Fui ao link, e ao olhar o site por alguns minutos, achei-o estranho; pesquisei no Google durante dois minutos apenas e descobri que o 'jornalista' do tal site não existe. Trata-se de um espaço fake cuja especialidade é difamar pessoas famosas como se estivesse escrevendo textos de humor sobre elas, mas dando um tom de seriedade às notícias para que as pessoas mais ingênuas acreditem e espalhem as fofocas. E nem mesmo após eu ter comentado sobre a inveracidade da notícia, a pessoa que a postou a apagou. Ficou lá, e o político em questão foi submetido ao ódio e às pragas rogadas por todos que não gostam dele.

A Rede Globo de televisão é outro alvo: ela é "culpada" de incentivar o homossexualismo, como se o homossexualismo fosse algum tipo de doença transmissível por satélite. "A culpa é da Rede Globo! Não assistam! Vamos boicotar!"  Ora, se existe ou não exagero naquilo que é mostrado, a solução é uma só: mudar de canal, se não estiver gostando!  A mim não incomoda. Existem coisas que não podem ser mais ignoradas ou encobertas, pois fazem parte do dia-a-dia de todos. Quem não gosta, que ao menos respeite. 

As fábricas de vídeo games e brinquedos tornaram-se as responsáveis pelo aumento da violência; se a criança tem um revólver de plástico, isto significa que ela crescerá e se tornará um bandido. Antigamente, todos os meninos brincavam com armas de plástico e espadas de mentirinha, e a violência nem chegava aos pés do que é hoje. Porém, antigamente os pais eram mais severos. Eles sabiam dar limites aos filhos e mostrar o que era certo e o que era errado. Hoje, se um dos pais for pego dando uma palmada em um filho, poderá perder a guarda deste ou até mesmo ser preso!

 Não há mais revólveres de plástico; as armas hoje são verdadeiras. Às vezes elas projetam balas, e noutras, palavras.



segunda-feira, 6 de abril de 2015

ALGUÉM






Alguém que não me conhece
Tenta contar minha história:
Escolhe lindas palavras
(Muito embora, equivocadas),
Arranhando, em longas páginas,
Com as unhas, uma face
Onde pensa desenhar
Esboços da minha alma;

Espalha-os,  feito estrelas
Salpicadas num céu negro:
Ah, linhas desordenadas!

Os cometas passam feito
Mil luzes de fogo e água,
E com eles, passam sombras
De uma vil face borrada...
E eu aqui, mãos sob o queixo,
Cotovelos sobre o muro,
Observo o céu noturno
Que de mim, não me diz nada.





sexta-feira, 3 de abril de 2015

Feliz Páscoa!














Que nas casas de vocês exista a paz do renascer. Que a manhã de domingo seja pacífica, doce, silenciosa e contemplativa. Feliz Páscoa!

Deixo de presente de Páscoa, um poema meu:


VOLTA AO VENTRE


Disseram que a mulher que deu-lhe à luz
Não era, de um deus, mãe verdadeira.
Que os anjos lhe falaram; foram vê-la,
E no ventre fechado, semearam.

Nasceu-lhe sob o brilho de uma estrela,
E a alegria ao vê-lo, misturava-se
Ao medo do futuro anunciado,
Pois ao mirar seus olhos de bebê,
Ela reconheceu-lhe o triste fado.

Tentou não dar ouvidos aos profetas,
Tentou negar, dos  anjos,  a palavra...
Viu-o crescer, e os passos que ele dava
A cada vez, mais dela o afastavam!

Até que um dia, fez-se a profecia:
Do alto de uma cruz, ele a mirava...
Sua alma de bebê, tornada homem,
Era a alma de um deus que a deixava!

E  hoje, a cada Sexta-feira Santa,
A alma dele abriga-se  em seu ventre,
Ela o envolve em luz, e ele sente
A paz entre as palavras que ela canta.


Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...