sexta-feira, 11 de setembro de 2015

O MAPA ENGANOSO DOS TEUS OLHOS




O mapa enganoso dos teus olhos
Conduziu-me a um caminho enegrecido
Onde nada brotaria do estolho
Que eu tentei, por muito tempo, cultivar.

E aquilo que eu pensava ser o mar,
Não passava de uma poça, um lamaçal,
E o sol que me apontavas, comovido,
-Luz mortiça, brilho artificial!

A palavra que encantava meus ouvidos
Era apenas um feitiço que passou;
Nada existe de profundo ou abissal,
Nesse pântano que a vida me mostrou.




7 comentários:

  1. É por demais difícil, livrar-se do pântano.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  2. Boa noite Ana.
    Um poema forte e uma inspiração singular, adorei, parabéns!
    Deixo o meu carinho e desejo que teu findi seja muito abençoado.

    ResponderExcluir
  3. Ah! O olhar pode demonstrar verdades mas também podem manifestar mentiras ... todo cuidado é pouco ...

    ResponderExcluir
  4. O perigo da ilusão, nos iludirmos é comum, nem sempre estamos atentos né mesmo?
    Amei ler amiga Ana, bem inspirado seus belos versos!
    Abraços e tenhas um lindo sábado!

    ResponderExcluir
  5. O que há num olhar é sempre uma infinita incerteza.
    Os encantos que se desfazem e os que se eternizam.
    Belo trabalho Ana.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...