terça-feira, 15 de setembro de 2015

É Só o Começo




Nossos passos ainda hesitam,
Claudicantes,
No meio de uma gigante estrada
Que não se sabe onde vai dar,
Ou se vai dar em nada.

Seguimos de mãos dadas,
A mente nas nuvens e nas estrelas,
As almas separadas
Por quilômetros e quilômetros
De palavras mal-cuidadas.

Mas dizem que é só o começo,
E que as pernas já maduras,
Acostumadas às duras
E intensas caminhadas,
Aprenderão o caminho
Para não mais se ferirem
Ou ferirmos uns aos outros
Entre tantos espinhos.




9 comentários:

  1. Lindo este teu poema, Ana !
    Escreves muito bem com toda a facilidade.

    Um beijo amigo.

    ResponderExcluir
  2. Os espinhos do aprendizado pelo menos oferecem a recompensa do diploma ...

    ResponderExcluir
  3. Que lindo, a vida é mesmo assim, caminhadas e mais caminhadas até que um dia a gente nem possa mais, ah, os espinhos só com aprendizados podemos nos livrar deles, mas faz parte, ah se faz, faz parte do caminho!
    Amei ler como sempre, deixo aqui abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. Linda poesia! Assim é a vida vamos caminhando, e depois de certo tempo mais devagar, porém mais amadurecidos e certamente, aprendemos um pouco mais a nos livrar dos espinhos.
    Um grande abraço,
    Élys

    ResponderExcluir
  5. Lindo poema, cara amiga Ana. Um abraço daqui do susl do Brasil. Tenhas uma boa noite.

    ResponderExcluir
  6. A caminhada é longa Ana e muitos espinhos e pedras pelos caminhos, mas que seguimos resolutos para um lugar chamado esperança.
    Lindo poema amiga.
    Abraços com carinho

    ResponderExcluir
  7. A estrada se faz perfazendo-a, não é mesmo? Tudo é aprendizado. Parabéns, muito bom como sempre, Ana. Abração.

    ResponderExcluir
  8. Não mais importa se a estrada é extensa,
    o que queremos é aprender a caminhar,
    entre os espinhos, sem nos ferir.
    Lindo, Ana, parece um soneto à liberdade.
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  9. A difícil arte do aprendizado, que nunca termina, mas nos torna um pouquinho mais tolerantes. Belos versos! Bjs.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...