segunda-feira, 20 de maio de 2019

Objeto









Quando no meio do lixo,
Uma flor 
É um objeto
Abjeto.

O erro que te define,
Não está no chão,
Mas no teto.

Olhe em volta, 
Dê a volta,
Realinhe
Tua mira
Torta.

Pois se és
Objeto,
Que não sejas
Abjeto,
Plataforma,
Pouso livre
A todo tipo
De inseto.






11 comentários:

  1. Adorei a construção desse belo poema.
    Boa semana!
    bj

    ResponderExcluir
  2. Um bonito poema muito bem construido.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  3. Ana Bailune a poesia é sempre uma expressão criativa. Aqui em poema, a expressão disso mesmo.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente arrasou! Quando a flor passa a ser vista como um objeto abjeto, é o início do fim. Mas tem também um possível outro sentido, a flor no meio do lixo, salvando, ou pelo menos abrandando o visual que se nos apresenta.

    ResponderExcluir
  5. Menina que sabe lidar com as súditas palavras em critica e poesia numa arte bela que aplaudo. O que vale o olhar né Ana?
    Lindo amiga.
    Abraços com carinho.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

COMO SE NÃO HOUVESSE AMANHÃ

  Como se não houvesse amanhã, Ele acordou naquele dia se sentindo mais vivo, Abriu a janela e percorreu as curvas das montanhas Com as pont...