terça-feira, 14 de maio de 2019

A Memória das Estátuas






Estão todos alinhados,
(Alguns, de braços dados)
Olhos presos nas colinas
E além delas.

Refazem todo o caminho
Percorrido, ao chegarem
A esse lugar tão ermo.

Não sei do que eles se lembram,
Ou de quem se esqueceram.
Saberão dizer os nomes
Que um dia eles tiveram?

Parecem estátuas eretas,
Caladas e misteriosas,
Como as da Ilha de Páscoa.

Não sabem de onde vieram,
Ou se alguém virá busca-los.

A terra na qual eles vivem
É toda feita de memórias
Alheias às suas vontades.

Sonham em serem esquecidos,
Sonham muito com o tempo
Em que serão varridos
Desta terra adormecida.

Às vezes, me pego pensando
Nas suas vozes distantes,
Nas peles cheias de marcas
Que só quem olhou de perto, 
Realmente conheceu.

Nas pupilas dilatas
Que eles tinham quando riam,
Se assustavam ou sofriam...

Eu me lembro da alegria,
Também lembro da tristeza,
E do quanto eu não queria
Entre nós, essa distância
Que pouco a pouco se abria.

Mas eu penso no alívio
Que seus últimos suspiros
Concederam à minha dor.

Me lembro de toda pena
Que senti, por tanta vida
Que um dia, foi amor.





2 comentários:

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.