terça-feira, 1 de agosto de 2017

Folhas Secas







Existe uma palavra
Cuja pronúncia faz desabar pontes,
E um sopro de pensamento que a contenha
Fecha todas as janelas,
Tranca todas as portas.

Existe uma palavra morta,
As mãos cruzadas sobre um peito vazio,
Uma palavra que morreu de frio
E fica de cócoras, à beira do caminho,
A assombrar qualquer pessoa
Que tentar chegar.

Existe uma palavra azeda, maldita,
Que vem de um sentimento mortal
Para qualquer relação,
Uma palavra que faz brotar o mofo
Dentro de cada coração.

Não ouso dizê-la – sequer penso nela,
Que esta palavra fique trancada lá fora,
E que jamais chegue a mim
O bafo fétido do seu funesto fôlego,
O trôpego passo do seu andar travado,
Que deixa tudo tristemente abandonado,
E deixa entre os caminhos apenas folhas secas.





4 comentários:

  1. Ana menina que bom que estou conseguindo, dia atrás li o magnifico texto sobre a teoria da culpa, mas nada de conseguir comentar, o comentário não ia de jeito nenhum, agora hoje estou conseguindo, este teu poema é forte e reflexivo, deixa-me sem palavras, ler e reler, belo e intenso, bjos Luconi

    ResponderExcluir
  2. LIndo demais, e como é verdade há palavras que trazem vida e também podem matar. A palavra gera morte e luz, cabe a nós saber falar. Vem ver meu blog

    ResponderExcluir
  3. As palavras produzem muitos efeitos.
    E as folhas podem ser muito sedusas
    e um dia ficarão secas.
    Bjs.
    Irene Alves

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

REFLEXÃO

Já muito andei sem enxergar, sem ver, O que me fez e me desfez, a fome... "Ana" é o nome que alguém me deu, M...