sexta-feira, 12 de maio de 2017

Soldadinho de Chumbo







Ah, soldadinho de chumbo,
Não és mais o mesmo!
O azul descascado da farda
De tanto segurá-lo entre as minhas mãos!
Os olhinhos de alfinete
Já desbotaram,
Mas as botas pretas e retintas
Guardam a glória 
Que ainda te sobrou!

Ah, soldadinho de chumbo,
Como, nos dias de infância,
Alegraste o meu mundo!
Eu te segurava, e tu andavas
Ao longo do áspero muro
Que circundava minha casa,
E depois, eu te esquecia
Sobre o gramado, e ficavas
Sozinho, enquanto chovia!

Ah, soldadinho de chumbo!
Ainda guardo memórias
De quando éramos unidos!
Eu te punha na cadeira,
Te ensinava uma lição
Enquanto apontava a lousa...
Meu aluno de brinquedo,
Ando pensando em derretê-lo,
Transformá-lo em outra coisa...





2 comentários:

  1. Qta saudade! Lembrei aqui dos 3 que eu tinha e que eu os nomeei como os 3 Mosqueteiros.
    Qto lirismo querida amiga.

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Ana Bailune
    Ler o poema e reler, mesmo tendo, como tema o morto, é uma boa opção, já que a poetisa, também aqui mostra os seu apreciáveis recursos poéticos.
    beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Contas

Eram contas de um colar pesado, Sem brilho, um tanto funesto Que alguém usava em volta do pescoço Como uma forma de p...