sexta-feira, 12 de maio de 2017

Soldadinho de Chumbo







Ah, soldadinho de chumbo,
Não és mais o mesmo!
O azul descascado da farda
De tanto segurá-lo entre as minhas mãos!
Os olhinhos de alfinete
Já desbotaram,
Mas as botas pretas e retintas
Guardam a glória 
Que ainda te sobrou!

Ah, soldadinho de chumbo,
Como, nos dias de infância,
Alegraste o meu mundo!
Eu te segurava, e tu andavas
Ao longo do áspero muro
Que circundava minha casa,
E depois, eu te esquecia
Sobre o gramado, e ficavas
Sozinho, enquanto chovia!

Ah, soldadinho de chumbo!
Ainda guardo memórias
De quando éramos unidos!
Eu te punha na cadeira,
Te ensinava uma lição
Enquanto apontava a lousa...
Meu aluno de brinquedo,
Ando pensando em derretê-lo,
Transformá-lo em outra coisa...





2 comentários:

  1. Qta saudade! Lembrei aqui dos 3 que eu tinha e que eu os nomeei como os 3 Mosqueteiros.
    Qto lirismo querida amiga.

    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Ana Bailune
    Ler o poema e reler, mesmo tendo, como tema o morto, é uma boa opção, já que a poetisa, também aqui mostra os seu apreciáveis recursos poéticos.
    beijos

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

A Minha Vida

Parada na esquina De pé,  Mas cansada, A bolsa jogada nos ombros Pronta para a viagem Há tempos planejada. And...