segunda-feira, 15 de maio de 2017

O Cadáver








O cadáver no meio da sala.

Alguns jogam pedras,
Outros, flores.
Alguns relembram como foi bom.
Outros maldizem o quanto foi ruim.

Mas cadáveres não se importam.

Cadáveres têm vida própria.

E quando começam a exalar o cheiro pútrido
(que a todos repele,
Talvez por fazê-los lembrar
que todos cheirarão igual)
Eles o enterram.

O cadáver não tem mais passado,
Nem se preocupa com o futuro.

Mas os que por ele zelam,
Ainda têm muito
Com o que se preocupar.

Ninguém argumenta
Com o cadáver,
Pois equivocadamente pensam
Que ele não é muito eloquente.

Se alguém o provoca,
Se alguém o indaga,
Se alguém o ama ou odeia,
Não é pela morte que ele representa,
Mas pela vida que há nele.

Todos serão cadáveres,
Alguns já são, e nem sabem.
Pretendem, de malas furadas,
Seguir sua tola viagem.

Cadáveres encontram aqueles
Que foram primeiro,
E constata que até eles
São cadáveres, mesmo que tenham
Seus nomes escritos na história.

Uma vida inteirinha
Ou um segundo que seja
De glória,
Não os salvou
De serem, no fim,
Cadáveres.

E os vivos os repetem,
Os citam, os utilizam
Como argumento para suas teorias
Quando as próprias teorias
Não se sustentam.

São cadáveres vivos, 
E fedem antes do tempo.





2 comentários:

  1. Bom dia, votos para que tudo esteja bem consigo, alguns cadáveres ainda respiram a perca da esperança, que lhe foi tirada por conveniência pelos que estão no poder sem dignidade, todos os poderosos um dia serão cadáveres que vão para o campo da igualdade.
    Continuação de feliz semana e fim de semana,
    AG

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...