quinta-feira, 11 de maio de 2017

Lugar

Um lugar que ambos escolhemos, e ocupamos há mais de 34 anos





Ando me perguntando sobre meu lugar no mundo, e na vida das pessoas que me cercam. Através das nossas escolhas e das escolhas das pessoas que interagem conosco, vamos criando nossos lugares. Por exemplo, ao nascermos, temos o nosso lugar entre os pais e os irmãos; sabemos exatamente qual o nosso papel, e o papel dos demais. Mais tarde, na escola, geralmente escolhemos um local para nos sentarmos no primeiro dia de aula, e lá permanecemos o ano todo. Todo mundo sabe que aquele é o nosso lugar, e saberão que estamos ausentes quando ele estiver vazio. A cada ano, talvez mudemos de sala de aula, de escola e de professores, mas sempre escolheremos um lugar no qual nos sentimos bem, e se chegarmos atrasados e alguém ocupá-lo, pediremos que o cedam ao verdadeiro dono assim que chegarmos. 

Escolhemos os lugares onde vamos morar; estabelecemos o nosso endereço, com nome de rua e número de casa ou apartamento. É ali que moramos. É ali que estão as coisas que nos pertencem, é na casa onde vivemos que a nossa personalidade mais se faz confortável. 

E assim vamos construindo nossas vidas e estabelecendo os nossos lugares, tanto na família quanto nos grupos de amigos. 

Quando nos casamos, passamos a ocupar um lugar na vida de nossos cônjuges, e por conseguinte, nas famílias de nossos cônjuges. 

Porém, nem sempre este lugar é reconhecido ou respeitado. Às vezes, ele não é considerado. A fim de evitarmos situações desconfortáveis, muitas vezes acabamos por fazer vista grossa a muitas coisas que vemos, e fingimos não perceber outras que escutamos, sendo repetidamente deixados de lado ou excluídos das principais decisões - afinal , somos vistos como um apêndice, um membro invasor, um cisco, ou qualquer coisa assim. É muito triste quando isso acontece. 

Mas, quando acontece, o melhor não é calar-se e aceitar ser relegado ao cantinho, lá, onde querem que você permaneça para não atrapalhar. Não: precisamos lutar pelo lugar que conquistamos. Não podem simplesmente mover-nos daqui para lá, ou de lá para cá sempre que acharem conveniente!

Não importa quanto tempo passamos deixando para lá, aceitando tudo o que foi imposto, fingindo não ouvir ou perceber a fim de manter uma paz que não nos beneficia, a não ser a quem a impõe. Aprendi que tem um lugar aquele que o defende. É respeitado quem não admite ser deixado de lado. 

E se não for assim, a melhor coisa é procurar outro lugar. 










4 comentários:

  1. Parabéns aos dois, que souberam encontrar os seus lugares no mundo. Isto é um privilégio para poucos meus queridos amigos.

    Beijão ao casal

    ResponderExcluir
  2. É bem assim, Ana!!
    Muito bem colocado!
    Eu tenho encontrado lugares aconchegantes e outros que tenho entrado e saído bem depressa.
    Sem contar os lugares que descobri, bem dentro de mim e que são muito aprazíveis...
    Bom dia, minha querida!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Malu. O cantinho da cozinha ou da área de serviço não me cabe mais.

      Excluir
  3. Texto esplêndido, passei muito tempo no lugar que me puseram, quando resolvi ocupar o meu espaço, quase me interditaram, tratando-me como incapaz.
    Gritei bem alto pelo meu direito, pelo direito ao meu espaço!
    Confesso, Ana, que só consegui, quando me entreguei a Jesus, porque eu sou fraca demais, Ele é a minha fortaleza...
    Felizes dias, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Ah, os Italianos! - Parte II

Pôr do sol em Florença... jamais esquecerei. Continuação do texto anterior LIXO – Quando fui jogar o lixo fora pela pri...