quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Sentidos








Eu acho que o amor
É uma briga de sentidos:
Cheiros, sabores, cores, sons
Ecoando em vários tons
Na ansiedade de um par de ouvidos.

Uns pensam que amor é só sentimento,
Volátil, feliz ou sofrível,
Um sentir que ninguém explica
Porque não cabe em ‘sim’ ou ‘não.’
Mas eu acho que amor é carne, alma e sangue,
Um pouco abaixo da loucura
Que se situa na paixão.

Depois, o fogo abranda, e ficam
Entre os gritos, silêncios e meiguices,
As brasas quentes e vermelhas
As mesmas que nos aquecerão
(Meias de lã não bastarão)
Nas noites frias da velhice.





8 comentários:

  1. Gostei muito de seu poema, Ana. Belíssimos versos cantando a metamorfose da paixão, que mais tarde encontra no amor a paz das tardes suaves do outono, com suas brisas mornas. Abraços.
    Pedro.

    ResponderExcluir
  2. Amor é fogo que não se apaga, só se alimenta quando as almas entram em combustão.

    ResponderExcluir
  3. Doces sentidos, Ana, assim é o amor em seu lindo poema! Amor é isso mesmo: carne, alma e sangue...
    Amei, lindo!
    Excelente domingo, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  4. Boa Tarde, querida Ana!
    Fenomenal! Não bastam mesmo!
    Que a cumplicidade seja uma constante na vida dos casais!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  5. Sei ter lido uma excelente poetisa, que consegue sempre se superar e idealizar poemas da magnificência que achei o presente.
    BRASIL – SORRISO DE DEUS
    Leia e comente BRASIL – O SORRISO DE DEUS
    Sergipe e as Unidades Federativas do Brasil
    http://amornaguerra.blogspot.pt/

    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...