domingo, 6 de novembro de 2016

Lembrança







Quem morre,
É como um pássaro que se lança num abismo
E nunca mais pousa.

Gosto de olhar para o céu
E pensar em voos eternos,
Asas que movem-se, abertas
Por sobre a saudade dos vivos.
Estranho, como nos tornamos
Tão próximos de quem se vai,
Pois é possível, sempre,
Olhar para cima e revê-los,
Abranger distâncias 
Através dos pensamentos.

E essas águias que planam,
O que sentem?
Escutam as preces sopradas,
Ou pairam sobre as saudades
Num voo longo e solitário
Sem pousos, sem sofrimentos,
Adormecidos?

Mas há manchas no azul,
Há sombras dentro das nuvens
E um brilho diferente 

No meio de cada estrela.






6 comentários:

  1. Acredito que estes vôos são solitários mas tb permeados de lembranças boas.

    Lindo isto ...

    Beijão Ana

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto de olhar para o céu e imaginar tanta coisa.
    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Gosto de olhar o céu e dar asas ao meu pensamento para que vá buscar as melhores imagens que puder e que venham emocionar o meu coração.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  4. Olhar para os céus sempre é muito bom e traz revelações... Gosto de refletir nos voos das águias!
    Obrigada pelo comentário por lá...

    ResponderExcluir
  5. Este olhar, esta saudade que vem do céu com lembranças de quem nos deixou e virou pássaro que habitam as noites e nossos dias. É lindo ver uma ida assim neste voo que sabemos ultimo, ameniza a dor, alivia a saudade.
    Então vamos olhar os céus como uma arvore onde pousam os que amamos e que nos deixaram ainda em asas.
    Belo trabalho Ana.
    Abraços com carinho.

    ResponderExcluir
  6. Um olhar celeste reflexivo e sentido aliado ao pensamento que expressa saudades de quem partiu.Linda e forte inspiração.

    Bjs!

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

É QUE ÀS VEZES, O ADEUS PESA...

Não, não pude olhar para trás,  Atravessar aquela rua, Ir ao pé da tua janela E me despedir. Não, eu  não pude hes...