NO DIA SEGUINTE...





A noite foi longa e muito escura,
E os fantasmas passeavam,
Arrastando suas correntes longas e pesadas
Pela madrugada,
fazendo sangrarem as lembranças
Das feridas que eu já pensava
Cicatrizadas.

A noite foi tão dolorida,
A vida gritando entre as batidas
Das horas que, cruelmente,
A engolia...
Foi uma noite longa, longa,
Que deixou a alma cheia de sombras.

Mas no dia seguinte,
O sol surgiu, como sempre,
Os pássaros cantaram sobre os galhos,
A neblina dissipou-se com o avanço da manhã,

E os carros passaram,
Os trabalhadores começaram seu dia
Com sons de marteladas
E risos que soavam entre os serrotes
Que cortavam, em pedaços, a faina do dia.

A noite, de repente, pareceu-me distante...






Comentários

  1. Ela fica, realmente, distante, quando o dia chama nosso olhar para outras coisas. Lindo, Ana!

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, Ana.
    Bem linda a poesia. Nada há de perdurar por muito tempo, tudo realmente passa, absolutamente!
    Ainda bem que quando o dia amanhece podemos sorrir novamente após uma noite longa de aflição.
    Tenha uma semana de paz!
    Beijos na alma!


    ResponderExcluir
  3. Ainda bem que a noite foi esquecida, Ana.
    Por vezes, convém não apagar a luz...

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana,

    A luz da alvorada é lenitivo para noites assombradas. Nas madrugadas, os fantasmas costumam despertar memórias menos felizes ou aumentar a intensidade das dores da alma, o que alonga as noites, que parecem intermináveis. Contudo, o novo dia é sempre regenerador.

    Lindo!!!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. A nossa grande esperança é que, sempre há um novo alvorecer!
    Lindo, Ana!
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos