quarta-feira, 25 de novembro de 2015

FRÁGIL










Seu amor era tão frágil,
Não resistia a um sorriso
Ou a um belo gingado...
Do inferno ao paraíso
Vivia ela, ao seu lado.

Morria de amores num dia,
E no outro, só matava.
Mas logo, ela arrefecia,
E o perdão concedia;
Liquefazia-se o fel
No brilho de um novo anel.

Nos braços dele, esquecia,
Mas à noite, o raio branco
Do luar o despertava,
E assim, ele partia
E sozinha ela acordava...

Seu amor era tão frágil,
Parecia um vento frio
Que soprava, descuidado,
Sobre as águas de um rio,
Mal deixando-o encrespado.


Era só o que ela tinha,
Ou o que pensava ter...
E sumia, a cada dia,
Tentando permanecer.
Bebia o doce veneno
Daquele amor obsceno
Que só fazia matar,
Que só fazia morrer!






6 comentários:

  1. Amor frágil é amor que faz sofrer, amor que se perde e se quebra por qualquer coisa.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Não vale a pena sofrer por algo tão frágil!
    Lindo poema, Ana, obrigada!
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Um amor assim está definitivamente quebrado, pois não existe o outro lado. Belos versos, Ana, mas uma realidade triste para muitos. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Poema-realidade que em breve levará a atitudes de exaustão. Porque será que o mais triste no Homem produz dos melhores poemas? Parabéns, pois, Ana
    Bjis

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

O que Tem na Sua Playlist? Uma Interação

Inspirada por um comentário de paulo Bratz a um de meus posts, que fala sobre um aparelho de som que comprei na Black Friday,...