FRÁGIL










Seu amor era tão frágil,
Não resistia a um sorriso
Ou a um belo gingado...
Do inferno ao paraíso
Vivia ela, ao seu lado.

Morria de amores num dia,
E no outro, só matava.
Mas logo, ela arrefecia,
E o perdão concedia;
Liquefazia-se o fel
No brilho de um novo anel.

Nos braços dele, esquecia,
Mas à noite, o raio branco
Do luar o despertava,
E assim, ele partia
E sozinha ela acordava...

Seu amor era tão frágil,
Parecia um vento frio
Que soprava, descuidado,
Sobre as águas de um rio,
Mal deixando-o encrespado.


Era só o que ela tinha,
Ou o que pensava ter...
E sumia, a cada dia,
Tentando permanecer.
Bebia o doce veneno
Daquele amor obsceno
Que só fazia matar,
Que só fazia morrer!






Comentários

  1. Amor frágil é amor que faz sofrer, amor que se perde e se quebra por qualquer coisa.

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  2. Não vale a pena sofrer por algo tão frágil!
    Lindo poema, Ana, obrigada!
    Abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Um amor assim está definitivamente quebrado, pois não existe o outro lado. Belos versos, Ana, mas uma realidade triste para muitos. Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Poema-realidade que em breve levará a atitudes de exaustão. Porque será que o mais triste no Homem produz dos melhores poemas? Parabéns, pois, Ana
    Bjis

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos