segunda-feira, 23 de novembro de 2015

A MINHA SOMBRA












A minha sombra é independente,
E gosta de aparecer.
Se escondo a mão,
Ela não acompanha,
E fica pairando no ar, sozinha,
Apanha
Um fio de teia de aranha,
Arranha 
Meu rosto sorridente.

A minha sombra voa,
Como a de Peter Pan;
Já tentei costurá-la
À sola dos pés,
Mas ela vem e vai, como as marés,
Vira a cara para o sol
E se projeta em mim,
De viés...

A minha sombra não se cala,
Não me obedece,
Desce as escadas de manhã,
Batendo os pés contra as paredes,
Se enrola nas fibras da rede,
Me imola a alma,
Me amola a calma,
Atiça  a minha sede...

Ah, sombra teimosa!
Sempre alguma coisa
Entre o dia e a noite,
A margarida e a rosa,
Zombeteira e afoita,
Sombra indecorosa!







8 comentários:

  1. Amei, como sempre muito inteligente e alegre. Luz e paz. Uma semana abençoada. Beijo no coração

    ResponderExcluir
  2. Luz e sombra, nossa sombra, ela não nos abandona, fiel até o fim!
    Amei ler seus belos versos poéticos!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  3. Talvez a esperança de um sonho...
    Gostei imenso, Ana !

    Um beijo muito amigo.

    ResponderExcluir
  4. Que beleza, Ana!! Ler o que escreve é um prazer. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. O mundo diferente seria se houvesse mais poetas capazes de, assim, visualizar as sombras

    Por mais poetas e sombras tão vívidos

    Abraço

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...