LIBERDADE






Todas as borboletas têm o direito de serem como são.

-Eu digo todas, sem nenhuma exceção.

Algumas voarão mais alto,
Outras, mais perto do chão.

Mas todas as borboletas têm o direito de serem como são.

E mesmo que alguém considere seu voo 
Viagem limitada, sem reais motivos
E sem nenhuma razão,
Voo descabido, fraudulento, ignorante,
E sem expressão,

Todas as borboletas têm o direito de serem como são.

Porque existem várias formas de exercer a censura,
Existem várias formas de ferir, de cortar asas:
E elas  são: veladamente limitar, tolher, intimidar,
E tentar fazer com que todos os voos sejam apenas
Cópias, sempre à mesma altura,
Repetições eruditas de eternas e ultrapassadas cenas,
Sem re-invenções,
Sem quaisquer tentativas
De desenvoltura.


E a mais forte forma de censura,
É a intimidação,
É tentar fazer o outro crer
Na pior forma de loucura:
A velada ditadura
Do "Seja como eu, ou não vale a pena ser..."

Então:
Todas as borboleta têm o direito de serem como são!



Comentários

  1. Amiga Ana, sim, todas as borboletas têm o direito de serem como são, isso é incontestável!
    Amei ler por aqui, sempre nos apresenta lindos/textos poemas para boas reflexões!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  2. Ana, até na poesia você é generosa e combate a discriminação,
    amei a sua forma de contestar o preconceito, perfeito, é um hino.
    "Todas as borboletas têm o direito de serem como são."
    Agradeço, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  3. Todas tem
    Todos temos
    Borboletas
    Lagartas
    Como Flor

    ResponderExcluir
  4. Achei tudo lindo, mas o último verso você fechou com chave de ouro!
    Gostei muito!!
    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Doce de Abóbora

VIDA

Sentidos