quarta-feira, 24 de junho de 2015

Tempo




O dia passa pela minha janela,
O sol nascendo
E cruzando o céu,
Sumindo
Sobre o telhado de minha casa,
Indo morrer atrás daquela montanha...

É assim todos os dias,
O tempo passa sobre mim,
O tempo passa sobre nós,
E um dia,
Vamos com ele,
Vamos como o sol...

(A paisagem que deixamos, escura,
Fica para trás
Ao renascermos do outro lado?)




5 comentários:

  1. Há a espectativa da criação de nunca morrer, mas
    vivemos a esperança de ultrapassar o outro lado da morte em vida.
    beijinhos

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. O tempo é a única coisa "concreta" na vida e ele é implacável ... Vivamos cada segundo como se fosse o último de nossas vidas ...

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Ana, não gosto muito de pensar na morte, mas tenho a esperança de que passaremos para um local iluminado, sem noites, nem escuridão.
    Com o preço da energia, como faremos para pagar a conta de luz?
    Obrigada, abraços carinhosos
    Maria Teresa

    ResponderExcluir
  4. Olá Ana,

    Estive aqui mais cedo lendo o seu poema, mas não tive tempo de comentar naquele momento.

    O tempo passa e vai nos levando tudo, sem nada devolver, né não?
    Acredito que ao mudarmos de plano encontraremos apenas luz e beleza, apagando toda e qualquer escuridão deixada para trás, neste mundo de provas, expiações e dor.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. O dia passa pela minha janela,
    esconde-se atrás da montanha
    numa passagem ligeira.
    o tempo passa por mim. o tempo passa...
    Um dia irei a ele
    um dia irei ao sol
    o escuro ficara para trás
    da claridade verei seu resplendor


    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Mandrágora

Teu Nome – raiz de mandrágora Perpassando o meu caminho, Me fazendo tropeçar... Um dragão adormecido Em isolada cave...