segunda-feira, 29 de março de 2021

POEMA SEM NOME

 


 



Às vezes,
Eu sinto que o mundo
É grande demais para mim...
Noutras, eu me vejo
Pequena demais para ele.
Mas existem momentos
Que no mundo inteiro
Não há espaço suficiente
Para eu transbordar
O que vai por dentro.
 
Às vezes eu penso
Que meu tempo aqui 
É perda de tempo.
Noutras, eu sinto
Que nem todo tempo do mundo
É suficiente para caber
O que me vai na alma.
 
Todas as certezas são esmagadas
Entre os dedos da vida,
Que espalha as migalhas
No meu rosto perplexo.
Mas logo depois, ela pinta
Outros cenários surreais
Escrevendo por cima: “Decifra-me!”
 
Às vezes eu penso que não vale a pena
Ler tanto, escrever tanto,
Desejar saber tanto
E saber tão pouco.
Às vezes eu sinto, bem dentro de mim,
Alguma coisa que quer brotar,
Mas eu não sei quem plantou a semente
Nem no quê ela há de se transformar.
 
Nessas horas, eu tenho medo 
Da terra, do sol, da água,
Pois não sei o que crescerá
Se eu decidir lança-la
No solo imperfeito da minha vida, 
Então eu me renego, silencio,
Digo a mim mesma que não vale a pena
Rasgar-me assim, diante do mundo,
Nas letras de um poema.





quinta-feira, 25 de março de 2021

PARA BOM ENTENDEDOR





 Um dia me disseram que só se conhece verdadeiramente o que é amor depois que se tem filhos. Não vou comentar o absurdo desta afirmação, pois não é esse meu objetivo. Também já me disseram que pais verdadeiramente amorosos farão qualquer coisa por seus filhos, o que para mim soa como uma afirmação igualmente absurda.

Porém, eu acredito que o amor que um pai ou mãe têm por seus filhos é um sentimento muito forte, e através desse sentimento, um pai ou uma mãe podem pretender justificar comportamentos inadequados de seus filhos, até mesmo condutas criminosas. 

Da mesma forma, sempre ficamos sabendo de histórias sobre filhos manipuladores, que se utilizam do amor dos seus pais a fim de conseguirem o que desejam deles. Para mim, isso não é apenas falta de respeito: pode ser um sinal de psicopatia latente.

Assim como muitos relacionamentos de amor ou amizade se tornam tóxicos, relacionamentos entre pais e filhos também podem se tornar tóxicos, por exemplo, quando há abusos de um dos lados, manipulações, maus-tratos... ou condescendência. Se os pais tentam justificar o comportamento criminoso de um filho, ou se negam a assumi-lo, eles estão concordando com ele e contribuindo para que ele continue a ter o mesmo comportamento. Por mais honestos e bem-intencionados que os pais sejam, esse tipo de conduta não é certo. 

E é grande o número de pais que acabam prejudicando a si mesmos e aos seus relacionamentos de amizade ou familiares a fim de passar panos quentes em filhos mimados e voluntariosos. Muitas pessoas admiráveis perdem a confiança dos outros devido a esse comportamento condescendente. 

Se o seu filho vem à minha casa e, por mau comportamento ou desobediência, quebra um objeto valioso que me pertence; e se eu reclamo com você sobre o acontecido, e ao invés de repreender seu filho oferecendo-se para ressarcir meu prejuízo, você o justifica dizendo, “Isso é coisa de criança”, eu não vou convidá-lo para minha casa novamente. Talvez nossa amizade fique abalada. E com toda certeza, seu filho vai continuar agindo da mesma forma em todas as casas para as quais for convidado. Logo, os convites vão se tornar cada vez mais raros.

Por mais honesto, admirável, corajoso e arrojado que alguém possa ser, todo mundo tem um calcanhar de Aquiles. Para alguns, os filhos são seu ponto fraco. Mas isso não ajuda a ninguém – nem aos filhos, nem aos pais. O amor paterno não deveria jamais servir de justificativa para que se faça vista grossa aos erros dos filhos, mas deveria ser uma afirmação de autoridade e dedicação verdadeira de um pai ao punir seus filhos quando isso se tornar necessário. Porque o que é errado para um, deve ser errado para todos.






quinta-feira, 18 de março de 2021

THE MEXICAN

 





Hoje eu acordei com a voz de minha mãe e uma música antiga na cabeça. Durante um sonho, ela estava falando comigo sobre algumas coisas dais quais ela tinha saudades. Lembro-me de estar sentada no chão da sala da casa dela, onde morávamos, conversando sobre várias coisas. De repente, me veio à cabeça uma música antiga, dos anos 70, chamada “The Mexican.” Eu era apenas uma criança quando uma de minhas irmãs comprou aquele disco, que reunia sucessos da Rádio Mundial. Ainda posso ver a espiral verde, símbolo da gravadora Som Livre, rodando na vitrola enquanto o disco tocava.

Bem, ao acordar pensando na música, fui procurá-la no Spotify, sem a menor esperança de encontrá-la; afinal, quem se lembraria de uma música que nem fez tanto sucesso assim? Bem, mas bastou digitar o nome da música e eu acabei achando-a! Foi muito estranha a sensação de ouvi-la novamente após mais de quarenta anos!

De repente, eu olho para o nome da banda que estava interpretando essa nova versão, gravada em 2007, e qual não foi a minha surpresa ao lê-lo: Babe Ruth. Ruth era o nome de minha mãe. Antes de hoje, eu nunca tinha ouvido falar nessa banda.

De manhã, à janela da casa, enquanto eu contava ao meu marido sobre o sonho e a coincidência dos nomes (especulávamos sobre o quanto as coincidências são ou não são nada mais que simples acaso), meus olhos pousaram entre uma pequena abertura entre os muros de duas casas vizinhas, e o que vejo? Uma planta que minha mãe adorava – um arbusto com flores vermelhas chamado Hibisco Colibri. Tínhamos um grande arbusto desta planta no quintal dos fundos da casa. Quando pequena, eu costumava retirar as flores para sugar o líquido doce que elas produziam, e minha mãe vivia ralhando comigo por isso.

Se eu tinha qualquer dúvida sobre ter sido coincidência ouvir a música no sonho e depois descobrir que o nome da banda era o mesmo de minha mãe, a certeza veio quando vi as flores: coincidências não existem, e há coisas na vida que estão bem além da nossa pequena compreensão.


QUEM ESTIVER CURIOSO SOBRE A MÚSICA, EIS O LINK: 

THE MEXICAN




quarta-feira, 10 de março de 2021

Algumas Rosas

 




Algumas rosas, no quintal dos fundos,

Querem saber o que vai lá no mundo:

Elas rastejam até  o alto muro

E sem ligar a todo o meu cuidado,

Vão espiar o vizinho do lado.


No meu quintal, exibem os espinhos,

Mas as corolas coloridas pendem

Sobre o telhado da vizinha casa;

Valeram a pena, tantos cuidados?


Da mesma forma, existe gente assim,

Que nós regamos, que nós ajudamos,

Mas ao florir da sua ingratidão,

Vão se mostrar só no terreno alheio,

Usam o esteio que lhes conferimos

E nos regalam com os seus espinhos.





terça-feira, 2 de março de 2021

INTUIÇÃO

 




Eu não sei quanto a você,

Mas eu sinto cheiro de nuvem

Pouco antes de chover.

 

Um cheiro de água contida,

Dessas, que escorrem da vida

Quando algo vai morrer,

 

Ou de estrela frustrada

Que não consegue brilhar

E por isso chora, embaçada,

 

Ou de praia abandonada

Onde não há marinheiros

Peixes, algas ou jangadas.

 

Eu não sei quanto a você,

Mas eu sinto cheiro de nuvem

Bem antes da tempestade.

 

Sei que que quando desabarem

As nuvens trarão consigo

Toneladas de saudades.





quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

INVEJA

 



Um tema que sempre é atual, pois ela não morre nunca, e sempre se renova.

No meu vídeo de hoje, estou falando sobre a inveja: o que é, o que causa e como defender-se dela.


Desde já agradeço a quem me fizer uma visita, deixar um 'gostei' e partilhar o vídeo. Não se esqueça de inscrever-se no canal e ativar o sino das notificações!





sexta-feira, 19 de fevereiro de 2021

SOBRE A PRISÃO DO DEPUTADO DANIEL SILVEIRA

 

 

abutres voam sobre a liberdade de expressão



Vou ser curta e grossa, pois estou sem tempo, mas achei importante (para mim) dizer o que eu penso a respeito disso, embora o país possa sobreviver sem a minha opinião: pelo que tenho lido por aí, até mesmo de especialistas em leis (porque eu não o sou) a prisão do deputado foi não apenas ilegal, mas inconstitucional, arbitrária e ridícula. Bem, eu poderia usar estes mesmos adjetivos para referir-me a ele. Mas a lei deveria ser igualmente aplicada a todos, mesmo que sejam trogloditas babacas e oportunistas em busca de promoção.


Para mim, esse senhor deputado, meu conterrâneo, não passa de um Alexandre Frota talvez um pouquinho melhorado em termos de cultura, mas as intenções dele, que foram de se promover (ele fez tudo o que podia para que isso acontecesse) obteve o sucesso e a atenção esperadas.


Aquele outro lá de capa preta que tem efetuado prisões ridículas, como a do jornalista Oswaldo Eustáquio (atualmente paralítico em prisão domiciliar, e que não recebeu a mesma atenção da mídia que o deputado obteve, mas que na minha humilde opinião, merecia muito mais); bem, voltando ao meu raciocínio: aquele lá de capa preta, pousado no Supremo, tenta provar a cada dia que a Constituição Brasileira, que deveria ser respeitada, nos dias de hoje é apenas um livrinho sem importância que poderia estar pendurado nos nossos banheiros para que melhor se fizesse uso dela.


Acho que ninguém vai me prender pelo que escrevi; afinal, não passo de uma ninguém que alcança, no máximo, algumas dezenas de leituras. Não estou me candidatando a nada e não represento a maioria. Mas se por acaso eu não aparecer mais por aqui, é porque aconteceu comigo aquilo que vai acabar acontecendo com todos que tentarem dizer o que pensam nesse país – sejam de direita ou de esquerda: fui amordaçada. Alguém terá adentrado minha casa no meio da noite e levado meus computadores, me jogando na prisão, me colocando uma mordaça  e quebrado minhas pernas.



quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

TOLERÂNCIA X RESPEITO


 




Boa tarde!

Você acha que tolerância significa, necessariamente, respeito? A gente escuta a toda hora reclamações por 'falta de tolerância' em relação aos que pensam diferente da gente. Mas será que o problema não está justamente aí - no pensamento de que, demonstrando tolerância, estarei demonstrando respeito?

Convido vocês a fazerem uma reflexão junto comigo nesse vídeo - só dez minutinhos - sobre aquilo que eu entendo sobre tolerância e respeito. No meu canal O 'X' DA QUESTÃO.

Eis o link:

https://youtu.be/lWT1cMxC9Zw

Convido-o a se inscrever no canal e acionar o sininho das notificações, para que você receba uma mensagem toda vez que eu postar um novo vídeo. Se gostarem, compartilhem!]
Grata!




quinta-feira, 4 de fevereiro de 2021

ROSAS E URTIGAS

 





Há rosas e urtigas.

Ambas soltam suas sementes

Sobre a terra,

Que as acolhe

E não escolhe

Quem vai brotar.


Porém,

O atento caminhante

Pode escolher

Sabiamente

Qual vai colher,

Qual vai cheirar.






segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

PODEM FICAR COM O MUNDO PARA VOCÊS




Já andei mais da metade do caminho que Deus me destinou. Já vi muitas coisas, escutei muitas coisas, vivi muitas coisas. Porém, nunca passei, em toda a minha vida, por tempos tão absurdos. Nunca vi tanta gente totalmente equivocada berrando sandices em redes sociais – e avançando feito leões famintos nas gargantas de qualquer pessoa – velho, criança, mulher, gay ou homem – que ouse discordar da sua pseudo sabedoria. Parece que tudo se resolve no grito: basta chamar de burro, quando faltarem argumentos convincentes, e qualquer um se considera vencedor do debate. Se sentirem que estão perdendo chão, vale a pena convocar mais alguns trogloditas-bem-informados-e-cheios-de-sabedoria para arrasar e esmagar de vez com o opositor. 

Existe também a tática de, quando em um grupo, isolar o contestante, fazer cara de paisagem enquanto se entreolham com olhares de “eu-sei-de-algo-que-você-não-sabe, tadinho, como você é burro”, e começarem a tratar o contestante como um retardado mental, adoçando a voz e quase desenhando no ar as palavras ao falar com ele, como a gritar silenciosamente: “BURRO!”  E chamam isso de ‘empatia.’

Há também aqueles que criam perfis fakes – sem fotos, sem endereços, sem nomes – criam dezenas, centenas deles, para que possam usar do mais chulo linguajar, enquanto despejam em cima do contestante todo o ódio que lhes vêm na alma.

Não sei qual das táticas é mais desprezível. 

Por mim, vocês venceram. Tenho o meu próprio mundinho aqui, não preciso do mundo que vocês estragaram. Podem ficar com ele. Chapinhem na lama e no esterco que vocês mesmos remexem, colham das ervas daninhas que vocês plantam e enfeitem com elas o seu mundinho, comam da merda que vocês estão excretando. Eu desisto. Não vou mudar a cabeça de ninguém – aliás, já fizeram isso lá atrás, e fizeram muito bem feito. É tarde demais para vocês. É tarde demais para nós.

Felizmente, já cheguei aos 55 anos, e não tenho mais muito tempo por aqui – quem sabe, mais uns vinte, vinte e cinco anos. Só posso dizer que lamento muito pela colheita que vocês terão lá na frente, pois ela será exatamente de acordo com as sementes que estão plantando. Tenho muita pena dos que estão nascendo e crescendo nesse mundo abjeto que vocês estão criando para eles.

Vão lá bater panelas, protestar contra a única pessoa que está tentando mudar esse chiqueiro no qual o país se tornou, e não se esqueçam de criar muitas hashtags mimizentas. Xinguem, vomitem escárnio e ofensas, esmaguem a liberdade de expressão daqueles que pensam diferente de vocês, e depois, vão lá nos seus perfis fakes – sim, fakes, porque mesmo os que têm fotos e nomes se escondem atrás da hipocrisia – e mostrem-se ofendidos porque o Presidente da República falou palavrão. 

Podem ficar com o mundo para vocês. Não o quero. Não faço a menor questão de circular entre vocês. Para dizer a verdade, fico muito mais feliz quando estou fora dele. Não se esqueçam de pedirem desculpas por serem homens, brancos, ricos. Não se esqueçam de exaltar a cor da pele ou o gênero como se tais características acrescentassem algo de útil ao seu perfil ou personalidade. Deixem em segundo lugar as coisas menos importantes, como o caráter, a honestidade, a força de vontade, a capacidade, o esforço pessoal e a educação. Quem precisa disso nos dias de hoje? Coisas totalmente supérfluas, caretas, misóginas e fascistas!

De verdade, fiquem com essa merda de mundo para vocês. Vocês venceram, são os melhores, os donos da verdade, os criadores e influenciadores de opiniões, os reis da sabedoria e da empatia, os bem-informados, cultos, descolados, que salvarão não apenas o mundo, mas também todas as girafas da Amazônia.






quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

NEGO SER NEGACIONISTA


É claro que o COVID19 é uma doença grave e possivelmente fatal. É óbvio que, a fim de corrermos menos riscos de sermos infectados, devemos respeitar as medidas de prevenção - as quais nem vou mencionar, pois até os meus cachorros já conhecem bem.

Mas a tal da vacina ainda não desceu... por mais que respeitemos a ciência, não podemos negar que a fabricação de vacinas seguras e eficazes pode levar muitos anos - afirmação feita pelos próprios cientistas. Entretanto, alegam os políticos e demais defensores da vacina que esta está sendo usada em caráter emergencial; mesmo assim, ainda temos que manter o uso de máscaras, distanciamento social, etc, etc, pois nada garante que elas seja realmente eficazes quanto a imunização. Sem mencionar as mutações do vírus que estão aparecendo por aí, e não se sabe se as vacinas são eficazes contra elas.

Seria mesmo medida emergencial ou medida desesperada?

Não, eu não estou inventando nada, li muito a respeito antes de escrever este texto. Mas a pergunta que não quer calar é a seguinte: se ela não protege, por que tomar? Não sou daqueles que acreditam que vão virar jacaré se tomarem, nem creio que existam substâncias que podem modificar meu DNA. Nada disso. Mas não me sinto segura para me vacinar. Tenho medo dos efeitos colaterais, que até agora, não são totalmente conhecidos. Vi pessoas dizendo que a vacina não mata, mas vejam só essa reportagem:

https://canaltech.com.br/saude/vacina-pfizer-noruega-idosos-177582/

E os defensores da vacina, que me chamam de negacionista, há bem pouco tempo temiam os efeitos de medicamentos, como a Cloroquina, na prevenção ao COVID19. E esse remédio, que é tomado sem receita médica há muitos anos no país, de repente tornou-se o bicho-papão dessa história. Se essas pessoas lessem as bulas de medicamentos como Novalgina, pílulas anticoncepcionais e estatinas, cairiam mortas. No entanto, faço uso de estatinas há anos, tomei pílulas anticoncepcionais por mais de vinte anos e não morri. Mas aqueles efeitos terríveis estão descritos ali porque, na bula dos medicamentos, os laboratórios são obrigados a informar mesmo as menores incidências de efeitos colaterais.

Mas ninguém parece querer se responsabilizar pelos efeitos colaterais da vacina. Por que será?


https://www.conjur.com.br/2020-dez-15/termo-responsabilidade-quem-vacinar-nao-justifica


Aqui, o comentário de um advogado a respeito da reposrtagem acima:

QUEM ASSUME RESPONSABILIDADE?


Ericson Lemes da Silva (Advogado Autônomo - Administrativa)

16 de dezembro de 2020, 10h23

Nenhum dos laboratórios (Pfizer, AstraZeneca, Sinovac et al) garantiu eficácia nem ausência de efeitos colaterais graves ou morte. Pelo contrário, exigem juridicamente isenção total, sob pena de não contratarem o fornecimento (vide o caso da FioCruz/AstraZeneca ou o da Pfizer na Inglaterra p. ex.). Por outro lado, nem as autoridades sanitárias mais severas (como as do Reino Unido) assumiram semelhante compromisso perante cidadãos e, por isso mesmo, não estabeleceram (ao menos até agora) obrigatoriedade da vacinação.

Quando alguém vem a público tentar induzir confiança na vacinação contra a COVID-19, seja médico, advogado ou qualquer outro profissional ou autoridade, via de regra está emitindo mero palpite subjetivo, sem encarar responsabilidade nenhuma pelas consequências a terceiros.

Se não for este o caso dos autores do artigo acima, nada impede que voltem aqui, nesta mesma publicação, e afirmem categoricamente que assumem plena responsabilidade cível perante quaisquer pessoas que tenham se deixado convencer pela argumentação acima.

Tenho plena consciência de que vou acabar sendo obrigada a tomar essa coisa, porque eu gosto de viajar, quero poder entrar em locais públicos como teatros, cinemas, restaurantes, etc., e o STF já ameaça punir com represálias quem não se submeter - Ah, mas é claro que somos cidadãos livres - mas quando eu me vacinar (acho que serei uma das últimas da lista) eu o farei por apenas um motivo: obrigação. Porque eu não acredito nessa vacina.





SÓ QUERO TER O DIREITO DE DIZER O QUE EU QUISER.

  Porque palavra calada É uma vida sufocada, Eu quero ter o direito De dizer o que eu quiser. Caso eu esteja certa,  Ou mesmo estando errada...