segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

O Vento







O vento passou pelos sinos,
Sacudindo-os em nervosos tilintares.
Trouxe cheiros de flores, de florestas e de mares,
Levou pensamentos cinzentos.

Assoviou entre as folhas das árvores,
Derrubando algumas que estavam distraídas,
E que não se agarraram suficientemente 
À vida.

O vento, quando passa, modifica tudo:
As plantas, as nuvens, as borboletas, 
Que giram no ar como em pobres roletas
Que a vida assopra e dissipa pelo mundo.

Pelo corredor da minha casa, flores de outros quintais
Jazem à sua sorte e esperam por uma morte
Que há poucos minutos, sequer lhes ocorria.

Assim somos nós, quando o vento nos beija:
Cerejas derrubadas dos ramos,
Panos secando nos varais da vida,
Borboletas girando sem direção,
Folhas arrancadas de árvores sofridas...





2 comentários:

  1. Ana Bailune escrevendo ou noutra situação qualquer, é sempre nosso dever, mesmo com os ventos a contrariarem, em qualquer circunstância, devemos conta aplanar a vida.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Ouço passar o vento...
    Vento forte que tudo leva, mas deixa todo tipo de saudade neste peito enrijecido pelo sofrer. Bate a porta do meu coração e arrastas maus pensamentos para cima do mar.É vento forte Ana que inspira esta bela poesia inspiradora neste movimento de palavras esvoaçantes, que nos arrebatam aos braços da poesia.
    Linda inspiração e que os bons ventos estejam sempre a seu favor como diz numa canção celta.
    Meu carinho no abraço amiga cavaleira do Apocalipse.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

SÓ QUERO TER O DIREITO DE DIZER O QUE EU QUISER.

  Porque palavra calada É uma vida sufocada, Eu quero ter o direito De dizer o que eu quiser. Caso eu esteja certa,  Ou mesmo estando errada...