segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

DOAÇÕES - ou Para Quem Ficarão Suas Coisas, Quando Você se For?








Todos os dias, quando abro minha página no Facebook, eles me perguntam se gostaria de deixar meu tipo sanguíneo para fazer alguma futura doação de sangue. Bem que eu gostaria, e com certeza o faria regularmente, caso não tivesse sido vítima de hepatite antes dos dez anos de idade, o que me impossibilita de doar sangue ou órgãos. 


Mesmo assim, gostaria de ir embora deste mundo sabendo que fiz alguma coisa útil por alguém, e por isso, pretendo fazer um documento doando meu corpo à uma faculdade de medicina para que as pessoas possam aprender alguma coisa através dele.


Não tive filhos e não tenho herdeiros. Nem tenho nada de substancial para deixar, materialmente falando, a não ser metade de uma casa simples. E quanto a isso, eu já tomei minha decisão, e dentro em breve, tomarei também as medidas legais a respeito: a minha metade da casa, após a morte de meu marido, será doada a uma instituição – talvez o GRAAC, com quem simpatizo e a quem em 2012 doei toda a renda que arrecadei com a venda de um livro que lancei, através do pagamento de um boleto. Não foi muito, porém, mas foi tudo, absolutamente tudo o que eu consegui. 


Não sou uma pessoa apegada a bens materiais, embora eu tome muito cuidado com tudo o que tenho e ame as coisas que conquistamos ao longo da vida, pelas quais sou muito grata. Não pretendo ter mais, e nunca pretendi ser milionária, a não ser que o dinheiro me chegasse como uma dádiva. 

Trabalhar duro feito louca a fim de ficar rica nunca foi meu objetivo. Mesmo assim, sempre trabalhei e sempre cobri minhas despesas, pois nunca gostei de ‘ficar nas costas’ das pessoas. Acho que todo mundo deve trabalhar para viver, ao invés de contar com heranças e outras facilidades.


Amo demais a minha casa! Ela é o retrato daquilo que sou e de tudo o que amo, tanto material quanto espiritualmente falando, e realmente gostaria que ela cumprisse uma missão espiritual. Assim será feito. 





7 comentários:

  1. Eis a questão. Por vezes para mãos de quem não merecem. :))

    Hoje:- Sou tudo, sou nada. Sou o coração vadio.

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda - Feira.

    ResponderExcluir
  2. Muito digno de sua parte.
    O assunto é sério eu sei, mas na hora associei à postagem anterior e me veio a ideia de brincar: Relutei mas vou me permitir: "E OS PANINHOS?' rs

    Beijão Ana ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahaha! Esses, eu já doei. Hoje de manhã, junto com algumas roupas e sapatos. Meu marido levou para um centro espírita Kardecista aqui na minha cidade, o Francisco de Assis. abraços, Paulo.

      Excluir
    2. Bacana, ando por aqui na mesma vibe, tentando me desapegar de muitas coisas. Claro que começando pelas materiais. Chegarei a outros patamares. Creio que o verdadeiro amadurecimento e a verdadeira consciência vão ganhando espaço em minha vida.

      Beijão Ana. Te admiro por tudo que você é!

      Excluir
  3. Que lindo ler aqui, tanto a postagem quanto os comentários entre vocês, Paulo é amigo em comum que admiro muito, assim como você!
    O desapego é muito bom, amar as coisas e a casa não é apego, é prazer de nos dar aquilo que de bom merecemos pelo bem conquistado com o travalho.
    Amo minha casa também, amo a vida, amo tudo o que me faz ser leve, desapego nos deixa leves!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. Boa noite de paz, querida amiga Ana!
    Creio que vai demorar muifo tempo até a doação, mas, quando acontecer, vai ser muito bem doada pelo que li.
    Paranebs pelo desapego!
    Tenha uma nova semana feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    😘😘😘

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

SÓ QUERO TER O DIREITO DE DIZER O QUE EU QUISER.

  Porque palavra calada É uma vida sufocada, Eu quero ter o direito De dizer o que eu quiser. Caso eu esteja certa,  Ou mesmo estando errada...