sábado, 8 de julho de 2017

Talvez







Talvez,
O perfume da flor que plantei
Tenha agredido tuas narinas
E o perfume da flor que plantaste
Tenha agredido as minhas,
Mas foram flores,
E foram ânsias
Sem intenções de ferir,
Meros acidentes de percurso
Entre a tua estrada
E a minha.

E na distância estabelecida
Entre nossos caminhos
Após a colisão,
Ficaram pedacinhos do meu
E do teu coração
Brotando no chão,
Fruto que a abstinência não matou,
Mas transformou, pouco a pouco,
Em pura admiração.




5 comentários:

  1. Um poema maravilhoso e uma imagem linda.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  2. Olá,Ana, talvez o perfume pode - por diversos motivos- não estar mais circundando uma flor, mas sempre estará envolvendo e impregnando ,afinal, o que é bom não se esquece e não se deixa de admirar jamais
    Feliz semana, Belos dias,abraços!

    ResponderExcluir
  3. Tão linda a admiração Ana, é uma floração do que de melhor temos e podemos passar para o outro. Que os jardins ainda que opostos possam misturar os perfumes para um viver sempre alegre e perfumado.
    Abraços.
    Bjs de paz.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

AMANHECEU

Amanheceu novamente Sobre as igrejas e telhados dos que ainda dormem E dos que jamais despertarão. Amanheceu sobre as p...