sábado, 8 de julho de 2017

Talvez







Talvez,
O perfume da flor que plantei
Tenha agredido tuas narinas
E o perfume da flor que plantaste
Tenha agredido as minhas,
Mas foram flores,
E foram ânsias
Sem intenções de ferir,
Meros acidentes de percurso
Entre a tua estrada
E a minha.

E na distância estabelecida
Entre nossos caminhos
Após a colisão,
Ficaram pedacinhos do meu
E do teu coração
Brotando no chão,
Fruto que a abstinência não matou,
Mas transformou, pouco a pouco,
Em pura admiração.




5 comentários:

  1. Um poema maravilhoso e uma imagem linda.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  2. Olá,Ana, talvez o perfume pode - por diversos motivos- não estar mais circundando uma flor, mas sempre estará envolvendo e impregnando ,afinal, o que é bom não se esquece e não se deixa de admirar jamais
    Feliz semana, Belos dias,abraços!

    ResponderExcluir
  3. Tão linda a admiração Ana, é uma floração do que de melhor temos e podemos passar para o outro. Que os jardins ainda que opostos possam misturar os perfumes para um viver sempre alegre e perfumado.
    Abraços.
    Bjs de paz.

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Até um Dia!

Olá, pessoal! Por motivos pessoais, estarei fora da rede durante alguns dias. Volto em breve! Abraços! ...