quarta-feira, 19 de julho de 2017

Mandrágora








Teu Nome – raiz de mandrágora
Perpassando o meu caminho,
Me fazendo tropeçar...

Um dragão adormecido
Em isolada caverna
-Mas que sonha despertar.

Teu nome – um mar caudaloso
Com mil barcos naufragados
Desejando flutuar.

Abismo de solidão
Onde aguardo um sol nascente
Que jamais ressurgirá.







3 comentários:

  1. Cara amiga Ana, eis a mitológica Mandrágora, poetizada com propriedade por vós. Um abração daqui do sul.

    ResponderExcluir
  2. A passar por cá para desejar um bom fim de semana!

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderExcluir

Obrigada pela sua presença! Por favor, gostaria de ver seu comentário.

Em Casa

Sinto prazer em estar em casa... gosto de cuidar de tudo, andar pelo jardim, aproveitar o sol. Gosto de ir lá para fora olhar...